Com mais assinaturas negadas que aprovadas, Aliança tem até apoiamento de eleitores mortos

Victor Farias

Faltando menos de um mês para o fim do prazo de criação de novas legendas, o Aliança pelo Brasil, partido em construção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), está longe do número mínimo de assinaturas necessárias para a sua criação, com mais apoiamentos negados que aprovados. Entre as razões para as negativas há, inclusive, a assinatura de eleitores mortos.

Até esta quinta-feira, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) havia analisado mais de 20 mil apoiamentos do partido, dos quais 6.741 foram considerados aptos e 14.501 inaptos. Há ainda 54.322 apoiamentos em prazo de análise. Para ser criado, o Aliança precisa apresentar 492 mil assinaturas válidas, em no mínimo 9 estados, até 4 de abril.

Dados do inicio da semana demonstram que a maior parte das assinaturas negadas, 78%, ocorreram porque o eleitor que preencheu a ficha de apoiamento já era filiado a outro partido.

Desde que Bolsonaro foi eleito presidente, em outubro de 2018, o PSL passou de 241 mil filiados para 354 mil em setembro do ano passado, caindo para 347 mil filiados nos meses seguintes à saída do presidente da sigla.

A dificuldade encontrada pelos membros do partido poderia ter sido alterada por um julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta, sobre as regras necessárias para a fundação de um partido. Os magistrados, no entanto, mantiveram as mudanças promovidas pela reforma eleitoral de 2015, reafirmando que é necessário não ser vinculado a um partido para participar da criação de outro.

O levantamento do TSE indica também outros problemas nos apoiamentos entregados pela Aliança, entre eles 1.632 pessoas cadastradas em unidades federativas diferentes da informada no cadastro eleitoral, 720 fichas de apoiamento duplicadas e até sete documentos preenchidos por eleitores que já morreram.

Procurado, o Aliança pelo Brasil não respondeu até a publicação desta reportagem.