Com medo da Covid-19, musas pensam em abandonar escolas de samba mesmo com fantasias pagas

·2 min de leitura

Com algumas capitais mantendo os desfiles das escolas de samba, como o Rio de Janeiro e, até segunda ordem, São Paulo, muitas musas estão com receio de atravessar o samba no quesito saúde. Com a proliferação da variante Ômicron, que vem lotando os hospitais e postos de saúde, elas estão desistindo do posto. Mesmo tendo pago a fantasia.

Caso da modelo e influenciadora Cris Galêra, que seria a musa da escola de samba Colorado do Brás, na capital paulista. “Não me sentiria confortável para desfilar sabendo que estaria colocando minha vida em risco”, afirma: “Não é hora de festejar, precisamos ser responsáveis e nos cuidar. A pandemia não acabou, mas parece que as pessoas não ligam mais para a própria vida ou a vida dos outros".

Débora Porto, musa da Mangueira, ainda vive o dilema de desfilar ou não desfilar, uma grande questão. “Saio na rua e percebo que a maioria das pessoas já nem usa mais máscara. Não consigo nem imaginar a devastação que vai ser se esse carnaval acontecer”, se preocupa.

Ela ainda vai aguardar as próximas semanas para bater o martelo, mas desconfia dos protocolos anunciados pelos governantes quanto aos sambódromos: “Considerando que carnaval é sobre aglomeração e contato, não adianta dizer que vai ter qualquer tipo de cuidado, porque não é possível. Se as pessoas não estão se cuidando no dia a dia, imagina se vão fazer isso no carnaval. É um absurdo!”.

Após investir mais de R$ 40mil em cirurgias para se preparar para essa grande folia, a influenciadora Luana Sandien decidiu ir em frente. “Investi R$ 180mil em uma fantasia que acabei não usando ano passado, pois o carnaval foi cancelado. Dessa vez, as coisas pareciam que estavam melhorando, então investi em uma cirurgia para estar perfeita. Estou indo em frente por ser um sonho que tenho de desfilar na avenida, mas não estou indo sem medo”, entrega ela, que será destaque na Colorado do Brás.

Ana Carolina Lekker por pouco não perde seu lugar na Avenida. Como não tinha se vacinado até setembro em virtude do calendário, ela quase ficou de fora do desfile da Unidos da Ponte, da qual é rainha.

Hoje, com a vacina em dia, ela garante que vai desfilar, mas testou positivo para Covid na última semana, e relatou nas redes sociais que está seguindo com as recomendações de segurança: “Quando eu descobri o positivo, foi um susto. Mas estou em repouso, me sentindo bem e com sintomas leves. Apesar de tudo, eu não vou desistir do Carnaval por medo da Covid”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos