Com medo de perder casa e à espera de bebê, homem tenta vender bola do jogo de despedida de Pelé da seleção

A história é conhecida em Itatiba, município do interior de São Paulo, já saiu até em um jornal da cidade. O ano era 1971 e um grupo de cerca de 30 torcedores locais, fãs de Pelé, decidiram encarar a estrada para ver a partida em que o Rei de Futebol se despediria da seleção brasileira.

Luta: Pelé lutava contra câncer no intestino desde 2021; veja histórico de internações

Assista: Internação de Pelé faz redes lembrarem genialidade do Rei do Futebol em vídeos

Recorde: Como Pelé influenciou Neymar a bater recorde de gols do Rei pela seleção brasileira

'Diego está sorrindo agora': Pelé parabeniza Argentina após título no Mundial do Catar

Mais de 400km depois, chegaram ao Rio de Janeiro. Foram até o Maracanã e conseguiram ingressos para o amistoso contra a Iugoslávia, disputado no dia 18 de julho. Entre os 140 mil torcedores que lotavam o Maior do Mundo para um último adeus ao Maior de Todos os Tempos, estava o itatibense Goteira.

O jogo acontecia normalmente até que uma bola foi chutada na direção das cadeiras do Maracanã. Goteira, apelido de Luiz Antônio Hercules, viu a redonda voar na sua direção e não hesitou. Fez a defesa, mas não recolocou a bola em jogo. Colocou debaixo do braço e a levou para casa.

Cinquenta e um anos depois, a bola está à venda. Goteira faleceu em 2009 antes de conseguir rifá-la e doar o dinheiro para uma instituição de caridade, seu plano original. Ele deixou a relíquia para o sobrinho, criado por ele desde pequeno. Eduardo Torso tenta encontrar um comprador para a bola que Pelé chutou na última vez que vestiu a camisa amarela da seleção.

Rei de Copas: Pelé sai de cena como o maior dos Mundiais, o único com três títulos

Câncer: Entenda o câncer de cólon, que causou a morte do Rei

Pelé: Saiba qual foi a última aparição pública do Rei do futebol

De 2009 para cá, manteve a bola guardada como uma recordação do tio. Mas a necessidade de dinheiro falou mais alto.

- Hoje, devido a grandes problemas, preciso da venda dessa raridade do nosso Rei do Futebol, para conseguir pagar uma dívida da casa onde morro atualmente com minha esposa. E tem nosso herdeiro que está a caminho - explicou Torso.

A esposa, Ana Paula Giovaneli, está esperando um bebê. Foi ela quem teve a iniciativa de contar a história da bola da despedida de Pelé. A comoção pela morte do camisa 10 também motivou a tentativa. O casal teve sorte porque Goteira teve cuidado e guardou outra relíquia, que dá veracidade à história: o ingresso da partida.

- Há pouco tempo descobrimos que corremos risco de perder nossa casa. Portanto, gostaríamos de vender essa raridade da seleção brasileira para quitar a dívida - explicou Ana Paula.