Com moda mais sofisticada, Carnaval será marcado por ombreiras, viseiras, pompom e retrofuturismo

JÚLIA ZAREMBA

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Carnaval deixou de ser uma festa marcada pelo improviso. Feiras de adereços, coleções carnavalescas de pequenas marcas a grandes redes de lojas e contas em redes sociais com inspirações de visuais impulsionam produções sofisticadas e ditam tendências. 

Entre as modas que devem se destacar nos cortejos das principais capitais deste ano, estilistas consultados pela Folha destacam maquiagens bem elaboradas, viseiras, ombreiras, pompons, quimonos de paetê e muito neon e efeito holográfico. 

Começando pela cabeça: arcos de unicórnio e de sereia já eram para os mais antenados. As viseiras, com paetês, pompons e outros adornos, devem ser a sensação dos blocos. "Além de bonitas, protegem o rosto do sol, são bem úteis", diz a estilista Iwana Raydan, 26, da loja Podre de Chic.

Os arcos, mais sofisticados, continuam em voga. Modelos vazados, sem excesso de estrutura para a cabeça não pesar, com estrela, lua, pompom e referências ao surrealismo (grandes bocas ou olhos, por exemplo) são a aposta da estilista da PUC-Rio e organizadora do Festival Saturnália (evento de moda de Carnaval), Luiza Marcier. 

Há quem diga que a maquiagem é o novo adereço de cabeça em 2020. "As pessoas estão ousando, experimentando mais, com pinturas superdesenhadas", diz a designer de interiores Clarissa Viegas, 41, da loja Ohlograma. "Antes, era só purpurina."

Nesta área, a purpurina biodegradável (que costuma ter uma textura mais espessa, remetendo a escama de peixe) é tendência, apesar de a popularização ainda ser um desafio, diz ela (costumam ser mais caras do que o glitter de microplástico). 

A base da fantasia não deve mudar muito. Top, biquíni, body, maiô e hotpant (este último item mais presente neste ano) serão bastante vistos em blocos e fotos em redes sociais. Para os mais antenados, um biker short (a famosa bermuda esportiva). 

O diferencial deste ano serão os adornos que os compõem, em especial ombreiras, franjas e meia arrastão, apontam os especialistas. Soluções que, para além do apelo visual, ajudam os foliões menos desinibidos a não deixar a pele tão exposta. 

O estilista Mateus Conde, da loja Arranjo Aí, conta que as encomendas de ombreiras com fitas metálicas superaram as de adereços de cabeça neste ano. As franjas de malha, que costumam ser usadas nos braços, também têm feito sucesso. 

Quem estiver disposto a suar um pouco mais do que o habitual durante a folia pode ornar o visual com um quimono de paetê, outra sensação em feiras e lojas neste ano. Ou então com uma legging de paetê, esgotada em poucos dias na Paeteh, conta Gustavo Pinhal, gerente comercial da loja, localizada ao lado do edifício Copan, na região central da capital paulista. 

"Os paulistanos ou turistas que vêm a São Paulo para o Carnaval estarão mais fantasiados do que nunca neste ano", aposta ele. "Antes, esse movimento era mais forte no Rio."

Mas a tendência, dizem os estilistas, é de corpos cada vez mais livres e expostos. 

Os tapa-mamilos, que já são vendidos em grandes redes de lojas, devem ganhar ainda mais adeptas. As mais discretas podem optar por sutiãs ou biquínis cor da pele ou semitransparentes com detalhes na região dos seios --de pedras e paetê, por exemplo, diz Viegas, da Ohlograma.

Para guardar dinheiro, cartão e outros pertences, as pochetes e doleiras ainda são as favoritas. "Nesse caso, a praticidade vem antes da lacração", diz Pinhal. Mas surgem versões mais elaboradas do item, inclusive a térmica, para guardar bebida. 

Há alternativas para carregar bens que começam a ganhar espaço, como bolsas pequenas com franjas. 

Seja em roupa ou em acessórios, o neon, o holográfico e o metalizado ganharão espaço nesta folia, dizem os estilistas. Uma espécie de estética retrofuturista, que remete a filmes de ficção científica da década de 80. 

"O retrofuturismo traz uma ideia de futuro em interlocução com o passado", diz Marcier. "Chegamos a 2020, que, no imaginário de quem viveu o outro século, seria o futuro. Ao mesmo tempo, há várias questões de comportamento em discussão que têm relação com passado, como o terraplanismo."

Em meio à sofisticação da moda de Carnaval, o desafio é ser original. "Tem que ser muito criativo para sair diferente", diz Raydan, da Podre de Chic. 

Só os pés escapam da estética: quanto mais confortável o sapato, melhor. 

Descentralização e representatividade feminina são tendências em blocos Para além da moda, há outras tendências para blocos de São Paulo, como descentralização dos cortejos, maior representatividade feminina e sustentabilidade. 

A capital paulista terá um número recorde de blocos neste ano: serão 796 autorizados, crescimento de 62% em relação ao ano passado, quando saíram 490. Será a primeira vez em que haverá desfiles em todas as 32 subprefeituras da cidade. 

Será também o primeiro ano com uma comissão formada por mais de 70 representantes femininas dos blocos com o objetivo de sugerir ao poder público ações para combater o abuso sexual, garantir a segurança das folionas nas ruas e aumentar a representatividade das mulheres na festa. 

Em meio à turbulência política no país, os blocos também buscam se expressar mais politicamente, diz Rogério Oliveira, da produtora Pipoca, que produz Monobloco e Baixo Augusta.

Para Flavia Doria, fundadora da produtora Oficina da Alegria, que organiza blocos como Bangalafumenga e Sargento Pimenta, a sustentabilidade será uma preocupação neste ano. Ela cita a logística para catar latinhas, que vem se aprimorando ao longo dos anos. 

Doria acredita que 2020 será um ano marcante para o Carnaval de São Paulo. "Se consolidará como uma festa tradicional, com características próprias, e entrará no mapa junto com Rio, Salvador e Olinda, por exemplo", diz.