Com Nenê e Cazares em má fase no Fluminense, Marcão mantém trinca de volantes contra o Juventude

·1 minuto de leitura

O Fluminense enfrentará o Juventude hoje, às 19h, no Maracanã, vivendo um dilema. Marcão terá que decidir entre manter a trinca de volantes no meio-campo ou apostar em um armador para melhorar a criação ofensiva da equipe. Se vencer a partida, atrasada da 14ª rodada, o tricolor pode pular para o oitavo lugar na tabela. Com 21 pontos, o time é no momento o 13º colocado — com a mesma pontuação, a equipe gaúcha vem em seguida, é a 14ª.

A tendência é que Marcão mude a trinca e escale André, Nonato e Yago Felipe, mudando a formação que está sendo utilizada desde que o treinador assumiu o comando, há quase duas semanas. Martinelli irá para o banco. A baixa criação ofensiva com essa formação chama a atenção, mas os meias do elenco pouco têm ajudado.

Nenê viu seu tempo em campo despencar no Fluminense. Nos últimos seis jogos, não chegou a 90 minutos completos. No mês de agosto inteiro, a média é de 25 minutos por jogo. Já Cazares coleciona atuações ruins e gera debates sobre sua condição física. E Ganso, que estava em melhor forma, fraturou o braço e está fora de combate. Uma ideia é usar o colombiano Jhon Arias mais centralizado, mas isso demanda tempo e treinamento. Na última partida, ele começou como titular aberto na ponta esquerda.

Hoje, Marcão terá de volta os atacantes Luiz Henrique e Abel Hernández, que não atuaram na vitória sobre o Bahia, segunda-feira, por suspensão. Artilheiro da equipe com três gols, Lucca deve continuar como titular.

— Vamos seguir em frente, tem muitos jogos. Sempre que puder ajudar vou ficar feliz, mas o que está sempre em primeiro lugar é a vitória do Fluminense — disse o jogador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos