Com novo boletim epidemiológico, Minas Gerais registra salto de mortes de 28 para 314 em 24 horas

Cíntia Cruz
·2 minuto de leitura

RIO - Após dois dias com números reduzidos de óbitos registrados por Covid-19, a Secretaria estadual de Saúde de Minas Gerais divulgou nesta quarta-feira mais de 300 mortes provocadas pela doença. Na segunda-feira, 15, o boletim epidemiológico do estado registrou 37 óbitos. Nas 24 horas seguintes, 28. Nesta quarta-feira, foram 314 novas mortes.

Os números chegaram a ser questionados pelo neurocientista Miguel Nicolelis no Twitter: "Onde estão os dados reais de óbitos em MG das últimas 24h? Só Uberlândia teve 23 mortes, como estado pode ter apenas 28?". Procurada pelo GLOBO, a Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais ainda não respondeu.

O governo de Minas Gerais adota, a partir desta quarta-feira, a "onda roxa", que são medidas mais duras de restrição de circulação. Os serviços considerados essenciais podem funcionar apenas das 5h às 20h — com exceção de unidades de saúde e de segurança pública. O comércio só pode atender por delivery ou retirada. Além disso, está valendo, em todo o estado, um toque de recolher das 20h às 5h, impedindo a circulação de essoas neste horário. A Polícia Militar vai coibir a realização de aglomerações e fiscalizar as medidas, que, a princípio, terão validade de 15 dias.

Nesta terça-feira, o Brasil bateu o recorde de mortes em 24 horas. Foram 2.798 pessoas que perderam a vida para a Covid-19. A Secretaria estadual de Minas Gerais ainda não respondeu se os dados estavam represados. Caso isso tenha ocorrido, o país poderia ter atingido a marca de três mil mortes. Também nesta terça, cinco estados bateram recorde de mortes em 24 horas, desde o início da pandemia. São Paulo teve 679 óbitos; Rio Grande do Sul, 501; Paraná, 307 óbitos; Santa Catarina, 167 óbitos; e Mato Grosso do Sul teve 39 mortes.

ES começa quarentena nesta quarta-feira

No vizinho Espírito Santo, entra em vigor, nesta quinta-feira, uma quarentena de 14 dias para todos as cidades. De acordo com o governador, a adoção dessas medidas foi necessária para evitar mais mortes pela Covid-19 no estado, informou o G1. A quarentena tem o objetivo de reduzir as atividades econômicas, sociais, de serviço e comércio não essenciais para que a transmissão do vírus seja controlada.

No Espírito Santo, a ocupação de leitos de UTI para Covid-19 tem taxa de ocupação em 91,05%. Nesta terça, 16, o estado confirmou mais 37 mortes e 2.426 casos confirmados da doença. Já são 6.746 óbitos e 346.544 casos confirmados da doença no estado.