Com pandemia, dívida global é recorde e chega a US$ 226 trilhões, mostra FMI

·1 minuto de leitura

RIO - Com a pandemia de Covid-19, o nível de endividamento dos países saltou 14% e chegou ao recorde de US$ 226 trilhões em 2020, segundo o relatório Fiscal Monitor, do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado nesta quarta-feira. A cifra inclui tanto débitos públicos como privados.

Não apena o nível de endividamento é o maior da História, como o percentual de crescimento de um ano para o outro. O FMI diz que o avanço é "jutificado" pela necessidade de elevação dos gastos para lidar com os efeitos socioeconômicod da pandemia. Mas alerta que os governos terão de calibrar suas políticas, de acordo com o ritmo de vacinação e capacidade de recuperação de cada país.

A dívida pública global chegou a US$ 88 trilhões, quase 100% do PIB mundial, puxada principalmente pelo desempenho das contas públicas das economias mais avançadas e da China. Esse percentual tende a cair nos próximos anos e se estabilizar em 97% do PIB, diz o Fundo.

No Brasil, a dívida pública chegou a 98,9% do PIB em 2020, bem acima da média dos países emergentes (64%) e permanecerá acima de 90% do PIB pelo menos até 2026, prevê o FMI.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos