Com pastores-alemães de Biden, Casa Branca volta a ter mascotes presidenciais

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os dois cachorros do presidente Joe Biden, Champ e Major, já estão instalados na Casa Branca, retomando uma longa tradição nos Estados Unidos que foi interrompida durante o governo de Donald Trump. O republicano foi o primeiro presidente desde Andrew Johnson, na década de 1860, a não dividir as acomodações presidenciais com um cachorro ou um gato —ou mesmo um guaxinim, como aquele mantido por Calvin Coolidge na década de 1920. Um vídeo publicado nesta segunda-feira (25) pelo porta-voz da primeira-dama Jill Biden, Michael LaRosa, mostra os cachorros, ambos pastores-alemães, correndo pelos jardins da residência presidencial com o obelisco de Washington ao fundo. Major será o primeiro cão de resgate a viver na Casa Branca —ele foi adotado pela família Biden em novembro de 2018. Champ juntou-se à família em 2008. "Champ desfruta de sua nova poltrona perto da lareira e Major ama correr no jardim sul", contou LaRosa à CNN nesta segunda. Os cachorros seguem as pegadas de Bo, o cão português dos Obama, e Barney, o terrier escocês dos Bush. O ex-vice-presidente Mike Pence e sua família tinham uma gata chamada Hazel, um cachorro chamado Harley, uma cobra chamada Sapphira e um coelho chamado Marlon Bundo. Kamala Harris e seu marido não possuem animais de estimação.