Com Pix, R$ 40 bilhões de dinheiro em espécie deixam de circular

·1 min de leitura
Pix
Sistema de pagamentos instantâneo já fez mais de 1 bilhão de transações

(Cris Faga/NurPhoto via Getty Images)

  • Pix faz com que R$ 40 bilhões em dinheiro em espécie deixem de circular

  • Queda é de 10,5% em relação ao final do ano passado

  • Estima-se que 80% a 90% das transações que o Pix fez tenham substituído as com dinheiro em espécie

A alta adesão do Pix fez com que R$ 40 bilhões de dinheiro em espécie deixassem de circular no país. Os dados, obtidos a partir da análise de janeiro a outubro deste ano e divulgados pelo Estadão, correspondem a uma queda de 10,5% em relação ao final do ano passado.

Para Leandro Vilain, diretor de Inovação, Produtos e Serviços da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), cerca de 80% a 90% do um bilhão de transações que o Pix fez até agora substituíram as que seriam realizadas com dinheiro em espécie.

Leia também:

Isso porque a queda nas operações via TED e DOC ou cheque – entre novembro de 2020 e setembro de 2021 – é pequena quando comparada ao crescimento das transações com o Pix. Enquanto a primeira caiu de 192 milhões para 94 milhões, a segunda cresceu de 34 milhões para 1 bilhão, representando expansão de 2.959%.

Na próxima terça-feira (16), o sistema de pagamentos instantâneo completa um ano, período em que movimentou mais de R$ 550 bilhões por mês, em cerca de 1 bilhão de operações. No dia 5 deste mês, o Pix bateu recorde ao registrar mais de 50 milhões de pagamentos e transferências dentro de 24 horas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos