Com a presença de Dilma, Jorge Messias assume AGU de Lula e promete renovação da instituição

Novo chefe da Advocacia-Geral da União (AGU), Jorge Messias tomou posse nesta segunda-feira e prometeu uma "nova AGU", "aberta ao povo brasileiro" e com direito a uma procuradoria especial para cuidar do meio ambiente. Repleta de autoridades, a cerimônia foi a última de uma série de posses realizadas nesta segunda-feira pelo novo governo Lula. O evento ocorreu no Palácio do Planalto. Além da presença de Dilma – de quem o novo AGU foi chefe da Secretaria de Assuntos Jurídicos (SAJ) e em 2016 protagonizou o episódio do "Bessias" — a cerimônia também teve a presença da presidente do Superior Tribunal de Justiça, Maria Thereza de Assis Moura, dos ministros do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, e ministros do atual governo como José Múcio, Camilo Santana, Sônia Guajajara e Márcio Marinho. Os senadores Randolfe Rodrigues, Jacques Wagner e Renan Calheiros também compareceram ao evento. Na cerimônia também compareceram ex-chefes da Advocacia-Geral da União como José Eduardo Cardozo, Luís Inácio Adams e Grace Mendonça. Convidada a falar na cerimônia de posse de Jorge Messias na AGU, a ex-presidente Dilma Rousseff foi ovacionada no momento em que chegou à tribuna. — Queria agradecer preliminarmente o meu querido ministro Jorge Messias. Eu venho aqui falar da importância da AGU e da SAJ para um presidente da República. Eu tive várias posições na União, eu fui ministra e em toda a minha trajetória foi exigida uma compatibilidade com a Constituição, com as leis — afirmou a ex-presidente. Disse ainda Dilma, que se referiu a Messias como "meu querido e amigo": — A AGU ajuda um presidente a governar. Se você de fato governar dentro dos princípios democráticos, inexoravelmente se não tiver uma AGU forte, respeitada e considerada vai ser muito difícil que Executivo tenha uma atitude de respeito ao Legislativo e do Judiciário. — Os erros são meus, mas eu agradeço ao Messias por ter me ajudado a acertar — afirmou Dilma, com a voz embargada. Ao iniciar o seu discurso, Messias agradeceu efusivamente o advogado Cristiano Zanin e os integrantes do grupo de juristas "Prerrogativas", que foram aplaudidos. Ao se referir a Zanin, Messias agradeceu o combate dele aos "arbítrios" contra o presidente Lula. Ainda Ao cumprimentar os presentes na cerimônia, Messias agradeceu a presença de João Pedro Stédile, do MST — que foi aplaudido pela plateia. Logo no início do discurso, Messias se emocionou ao agradecer a Aluísio Mercadante, a quem se referiu como "parceiro de luta". — Ao presidente Lula, o meu agradecimento. Quero lembrar também da mulher que simboliza a luta pela democracia, a presidente Dilma Rousseff. Meu agradecimento — disse. Dirigindo-se à ex-presidente, de forma emocionada, Messias disse "nós voltamos". Em sua fala, interrompida diversas vezes por aplausos e gritos de guerra, Messias enfatizou uma retomada da harmonia entre os Poderes da República. — Os ataques constantes às instituições democráticas, a incitação ao ódio, causaram muitos danos à nossa democracia. O ano de 2016 deu início a um processo de erosão do estado democrático de direito. Presenciamos a propagação dr uma escalada autoritária, de estímulo ao ódio, do armamento da população, do aumento inescrupuloso da violência — afirmou. Segundo o novo AGU, é preciso restaurar a ordem democrática e enfrentar os discursos de ódio. — A AGU desempenha sua função para assegurar a proteção da União e o exercício da liberdade, da igualdade e da Justiça. A AGU tem hoje aquela que talvez seja o maior escritório de advocacia do planeta. Se analisarmos o contencioso das demandas tributária, os valores ultrapassam os 800 bilhões de reais. Os desafios são grandes, mas estou seguro de que nossa gestão atuará à altura. Vamos dotar a AGU das melhores tecnologias e técnicas e aplique uma visão holística. Messias anunciou a criação da Procuradoria Nacional de Defesa da Democracia, que atuará no combate a ataques à ordem democrática. — Vamos devolver as canetas aos nossos gestores públicos no enfrentamento dos problemas que se demanda atuação consultiva. Nesse sentido, a atividade precisará ser cada vez mais multidisciplinar, capaz de lançar olhares múltiplos sobre problemas complexos. A AGU estará a partir de agora aberta a toda a sociedade brasileira. Anuncio assim a criação da Procuradoria Nacional de Defesa da Democracia — afirmou, sob aplausos. Ao mencionar seus antecessores, Messias citou "desafios à institucionalidade" nas gestões dos ministros André Mendonça, José Levi e Bruno Bianco. — É inconsteste que eu tenho um cliente bem melhor hoje — disse, brincando. Messias também anunciou uma série de mudanças do que chamou de "nova AGU". — Quero anunciar a Procuradoria Nacional da União de defesa do meio ambiente e do clima. Com a criação da Procuradoria, pretende-se novas soluções com a política ambiental, para viabilizar a transição ecológica. A Procuradoria está em consonância com as diretrizes do governo Lula.