Com produção reduzida, Maduro se propõe a fornecer gás ao México

·2 minuto de leitura
Presidente Nicolás Maduro fala em entrevista coletiva no palácio presidencial de Miraflores, no dia 17 de fevereiro

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, propôs nesta sexta-feira (19) que seu país seja fornecedor de gás do México, mas um especialista alerta que a ideia é inviável porque a produção no país sul-americano já é insuficiente para o consumo interno.

Uma onda de frio na América do Norte obrigou a um corte no fornecimento de gás dos Estados Unidos ao México, que alimenta várias usinas geradoras da rede elétrica nacional, causando um corte que deixou quase 5 milhões de usuários sem eletricidade.

“Devemos falar com nossos irmãos da Pemex no México, devemos falar com o governo mexicano, porque vi toda a questão do abastecimento de gás e o esforço do presidente (Andrés Manuel) López Obrador para resolvê-lo, agora agravado pelas nevascas no Texas", disse Maduro em um ato oficial transmitido pela televisão.

“Vendo os planos de produção de gás, devemos propor ser fornecedores seguros para a eficiência energética do México, é uma das novas metas que proponho”, acrescentou.

A Venezuela, que produzia 3,2 milhões de barris por dia de petróleo há 12 anos, hoje coloca cerca de 400 mil no mercado, segundo a OPEP, os níveis das décadas de 1930 e 1940.

Não há números oficiais para a produção de gás natural na Venezuela, mas "como a produção de petróleo caiu, a produção de gás também caiu" nessa proporção, alertou o economista José Toro Hardy, que integrou a direção da estatal PDVSA antes da chegada do chavismo ao poder.

De acordo com a Agência de Energia dos Estados Unidos, a Venezuela produziu 946 bilhões de pés cúbicos de gás em 2018.

Em meio à maior crise de sua história recente e ao embargo do petróleo pelos Estados Unidos, o abastecimento de gás, principalmente doméstico, é escasso no país, o que tem obrigado muitas famílias a cozinhar com lenha por não poderem pagar os altos preços do mercado paralelo.

“Na Venezuela não há gás, nem pensar em mandar para o México”, insistiu Toro. “O gás produzido nos reservatórios profundos do nordeste da Venezuela tem muito gás. Esse gás já foi aproveitado antes e era reinjetado no mercado, mas agora está se perdendo”.

A Venezuela possui 197,1 trilhões de pés cúbicos de gás natural em reservas comprovadas, número que a coloca em oitavo lugar no mundo, segundo a PDVSA.

jt/mbj/tly/jc/mvv