Com produção suspensa, Fiocruz terá IFA garantido para 25,8 milhões de doses de Astrazeneca até julho

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Após a chegada de dois lotes de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) na sexta-feira e no sábado, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) deve conseguir entregar 25,8 milhões de doses de vacina até 3 de julho. Segundo o vice-presidente de Produção e Inovação em Saúde da instituição, Marco Aurélio Krieger, o total não deve sofrer grandes variações: a fabricação, suspensa até a próxima terça-feira, estará abaixo da capacidade por causa da baixa disponibilidade do insumo.

— Nós vamos ter uma limitação da nossa capacidade de entrega dada pela disponibilidade de IFA. É uma situação que a gente não tinha desde o final do mês de março, quando a gente teve a aceleração das entregas — afirmou, em reunião da Comissão Externa de Combate à Covid-19, na Câmara dos Deputados, nesta quinta-feira.

A escassez de IFA tem prejudicado a produção de vacinas — não só a de Oxford/Astrazeneca, mas também a CoronaVac, pelo Instituto Butantan —, com atrasos e reduções nas entregas ao Ministério da Saúde. No encontro, o diretor do Butantan, Dimas Covas, relatou o pedido de ajuda ao embaixador da China, Yang Wanming, na liberação de 7 mil litros do insumo, que vem do país asiático. Também teceu elogios à atuação do chanceler Carlos França nessa questão:

— O embaixador se dispôs a fazer todos os esforços junto ao governo chinês para explicar essa situação e, da mesma maneira em que elogiou muito o ministro França, que tem apoiado muito as iniciativas do Brasil, do Butantan e da Fiocruz junto ao governo chinês.

Uma das preocupações do Brasil é com a cepa do novo coronavírus descoberta na Índia que que teve o primeiro caso confirmado nesta quinta-feira, no Maranhão. Na reunião, o deputado Dr. Luizinho (PP-RJ) colocou o Congresso Nacional à disposição da Fiocruz e do Butantan para negociar junto à China a importação de IFA para o Brasil.

O Butantan prevê liberar mais cinco milhões de doses de CoronaVac, das quais metade deve ser reservada pelo ministério para completar o esquema vacinal. Além disso, Covas afirmou que, se a Butanvac receber autorização para testes da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda neste mês, o Butantan poderá solicitar o uso emergencial em setembro ou outubro. Se aprovado, seriam 100 milhões de doses até o fim do ano. A vacina nacional está em desenvolvimento e em produção pelo instituto.

Convidadas para a reunião, as embaixadas da China e da Índia não puderam comparecer.