Com quebra de recordes, Time Brasil encerra participação em Lausanne

Brasil teve bom desempenho na competição na Suiça (Foto: Valter França/COB)


O Time Brasil pode se orgulhar da participação nos Jogos Olímpicos da Juventude Lausanne 2020. Começando pelo recorde no número de atletas e de modalidades com representantes brasileiros, o país ainda teve desempenhos importantes no snowboard cross, no esqui cross-country e no curling, além da estreia no biatlo em Jogos Olímpicos da Juventude.

– Como chefe de Missão, estou muito orgulhoso pelo trabalho desenvolvido aqui para oferecer as melhores condições para os atletas. Tivemos pessoas atuando na logística, operações, desempenho esportivo, área médica, comunicação, além, é claro, de toda uma equipe técnica. Isso tudo ajudou para que os meninos e meninas do Brasil tivessem um bom desempenho esportivo e vivessem uma experiência incrível – disse Matheus Figueiredo.

O esqui cross-country, modalidade em que o Brasil já tem uma tradição de participação em grandes eventos, bateu diversas marcas dos Jogos Olímpicos da Juventude, em Lausanne 2020. Em Lillehammer, havia sido um representante, agora foram quatro – Manex Silva, Rhaick Bomfim, Taynara da Silva e Eduarda Ribera –, com a primeira participação feminina.

Além disso, o Brasil teve o melhor sul-americano em todas as provas disputadas. Foram conquistadas as melhores colocações e o recorde de pontos FIS em todas as provas disputadas. Destaque para o Top-40 de Manex Silva na prova de Sprint.

– Manex e Rhaick mostraram que estão com boa performance tanto nas provas de sprint quanto de distância. Fizeram disputas muito equilibradas. As meninas fizeram a estreia, que ficou dentro do esperado. A participação em Lausanne será muito importante para o desenvolvimento deles como atletas – disse o técnico Leandro Ribela.

Taynara da Silva ainda foi responsável pela estreia do Brasil no biatlo feminino. Outra modalidade que participou pela primeira vez nos Jogos Olímpicos da Juventude foi o snowboard cross, com Noah Bethônico. O atleta de 16 anos ficou na 11ª colocação, uma a menos de avançar para a semifinal, e a melhor colocação entre os atletas brasileiros em Lausanne.

No curling, o Brasil estabeleceu novas marcas com o time formado por Vitor Melo, Michael Velve, Gabriela Rogic Farias e Letícia Cid. Foi a primeira vez que a equipe mista marcou pontos em todos os jogos em uma competição internacional e ainda quebrou os recordes de pontos marcados em uma mesma partida, na derrota de 12 a 3 para Dinamarca, em que venceu dois ends.

Ainda nos esportes de gelo, o Brasil foi o único país latino-americano a ter atletas disputando o bobsled e o skeleton, no caso Gustavo Ferreira, Larissa Cândido e Lucas Oliveira, que ficaram na sede de St Moritz.

QUADRO DE MEDALHAS

A Suíça lidera o quadro de medalhas, com 24 medalhas (10 ouros, 6 pratas e 8 bronzes). A Rússia aparece logo em seguida, com 28 (9 ouros, 11 pratas e 8 bronzes). Na terceira posição, o Japão soma 14 medalhas conquistas (7 ouros, 6 pratas e 1 bronze). O evento de encerramento será realizado nesta quarta.