Com reforço na segurança e tensão em Brasília, Lula toma posse no domingo para terceiro mandato

Presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - Luiz Inácio Lula da Silva vai tomar posse no próximo domingo para um terceiro mandato à frente do Palácio do Planalto em um esquema inédito de segurança em meio à tensão na capital do país após episódios de vandalismo e até a tentativa abortada de explosão de uma bomba no Aeroporto de Brasília.

O roteiro oficial do dia começa às pouco depois das 14h com a chegada de Lula e do vice-presidente eleito Geraldo Alckmin à Catedral Metropolitana de Brasília e na sequência os dois irão desfilar em um carro pela Esplanada dos Ministérios até o Congresso Nacional. Uma das dúvidas guardadas é se o presidente vai desfilar em carro aberto ou fechado.

A previsão é que os dois cheguem ao Congresso por volta das 14h40, em uma sessão solene de posse prevista para começar às 15h. Pelo roteiro estão previstos a execução do hino nacional, compromisso constitucional, leitura e assinatura de posse do presidente e do vice e pronunciamento dos dois.

A saída de Lula e Bolsonaro do Congresso, que ocorre sob honras militares, deve acontecer pouco depois das 16h. Em seguida eles chegam ao Palácio do Planalto onde vão subir a rampa e na sequência Lula irá receber a faixa presidencial.

Com a viagem nesta sexta-feira do ainda presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos não está claro quem passará a faixa ao petista.

Lula fará então um discurso no Parlatório do Planalto.

Segundo as autoridades envolvidas, até 30 mil pessoas vão poder assistir ao discurso de Lula na Praça dos Três Poderes.

Por volta das 18h, o presidente e autoridades do novo governo vão ao Palácio do Itamaraty, onde haverá uma recepção para convidados e chefes de Estado. Mais de 60 representantes de países confirmaram presença.

FESTA POPULAR

Ao mesmo tempo em que terá os atos oficiais de posse, o domingo também será repleto de atrações para o público que vai à Esplanada dos Ministérios. Os organizadores estimam que 300 mil pessoas vão acompanhar os festejos de posse.

De manhã, a partir das 10h, começa a programação do Festival do Futuro, batizado popularmente de "Lulapalooza". Haverá uma pausa por volta das 13h e a programação será retomada no início da noite. Estão previstos mais de 60 artistas se apresentando em dois palcos alternadamente, "Gal Costa" e "Elza Soares", em homenagem a duas importantes cantoras da música brasileira falecidas em 2022.

As forças de segurança do governo federal e do Distrito Federal montaram um forte esquema de segurança, com bloqueios para revista de pessoas e até mesmo com policiais à paisana entre os presentes.

O efetivo de policiais e outros integrantes das forças de segurança pública na operação do dia da posse não foi revelado, mas todos os servidores estarão prontos para serem acionados.

"Estaremos com 100% com efetivo em prontidão, podendo ser empregado em caso de necessidade", disse o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Júlio Danilo, em entrevista esta semana a respeito dos preparativos para a posse.

No gramado da Esplanada dos Ministérios não será permitida a entrada com garrafas de lata e de vidro, mastros de bandeira e outros objetos que possam causar lesões a outras pessoas. O público poderá levar alimentos, mas eles devem preferencialmente estar acondicionados em sacos plásticos porque podem ser vistoriados. Haverá uma feira gastronômica também no local.

Aliados de Lula esperam que os últimos acontecimentos em Brasília --como as suspeitas de bombas e os atos de vandalismo que levaram a prisões de envolvidos-- não causem impacto no comparecimento dos apoiadores de Lula às festividades do dia 1º.

A presidente do PT, deputada Gleisi Hoffmann, reconheceu que há uma tentativa de desmobilização da posse com esses atos violentos, mas disse esperar que isso esvazie as comemorações. "Não acredito que vamos ter problemas", disse ela, em entrevista à GloboNews nesta sexta.

O secretário de Segurança do DF, Júlio Danilo, disse que não será permitida manifestação contra Lula na região central de Brasília durante as cerimônias e festividades.

"Não vai ser autorizada manifestação na área central de Brasília, não será permitido que se chegue lá. A manifestação pode ser realizada desde que de forma pacífica. E desde que ela não frustre outro evento anteriormente agendado para o mesmo local. Assim diz a norma, tem decisão do Supremo (Tribunal Federal) nesse sentido", disse Danilo à Folha de S.Paulo na quarta-feira.