Com Renata Sorrah, Antonelli e Giácomo, 'Filhas de Eva' estreia no Dia da Mulher

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com Renata Sorrah, Giovanna Antonelli e Vanessa Giácomo, a primeira temporada de "Filhas de Eva" vai estrear no dia 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, no Globoplay. A trama apresenta os sonhos, os conflitos e os desejos de três mulheres em diferentes fases de vida. No primeiro episódio, Stella (Renata Sorrah), Lívia (Giovanna Antonelli) e Cléo (Vanessa Giácomo) têm suas vidas entrelaçadas. O pontapé inicial para o encontro é a festa de Bodas de Ouro de Stella e Ademar (Cacá Amaral). Na cerimônia, Stella decide tomar uma atitude inimaginável aos olhos da sua família e dos amigos do casal. Aos 72 anos, ela pede a separação. É com este anúncio que começa "Filhas de Eva", nova série da Globo, que estreia neste ano -a data ainda não foi divulgada. "Acho essa produção incrível, porque ela fala principalmente da coragem de mudar, de ter uma atitude, não importa a idade que você tenha, seja 70 anos ou 15 anos, é você ter coragem uma hora na sua vida de mudar, de dizer não, de falar: 'Isso eu não quero mais", afirmou Sorrah, na Comic Con Experience 2019. A resolução de Stella vai impactar e provocar transformações na vida de outras pessoas, especialmente de sua filha Lívia (Giovanna Antonelli), que idealizava o relacionamento dos pais e custa a perceber que o seu próprio casamento também já acabou. Cléo (Vanessa Giácomo) que, em princípio, só estava no local porque foi a responsável por levar o bolo da festa, terá a sua própria vida modificada a partir disso. Martha Mendonça, uma das criadoras e escritoras da produção, afirma que a série mostra como as três protagonistas vivem diferentes tipos de prisão e que, querendo ou não, elas vão ter de mudar. No caso de Stella, a prisão é muito ligada à geração dela, de mulheres que viviam para o casamento. A série tem ainda autoria de Adriana Falcão, Jô Abdu e Nelito Fernandes, com direção artística de Leonardo Nogueira. Antonelli descreve o seu papel como o de uma psicóloga "careta, cheia de manias e perfeccionista", que é casada com um homem (Cléber, vivido por Dan Stulbach), que é o seu oposto. O casal tem uma filha adolescente, Dora (Debora Ozório), que também se vê abalada com tudo o que acontece ao seu redor. Para Mendonça, além das relações familiares, corrupção e discussões sobre ética são outros assuntos que vão permear a série. Apesar dos temas densos, Nelito Fernandes, também autor e criador de "Filhas de Eva", define a atração como um "drama com respiros de humor". Grande parte das cenas foram gravadas em locações externas do Rio de Janeiro. Mas não espere ver só praias ou o rico bairro do Leblon, famoso nas novelas de Manoel Carlos. Os cenários escolhidos pela produção são o centro da cidade, o Aterro do Flamengo, e bairros como Grajaú, Lapa e Santa Teresa, que, segundo o diretor, dão o ar contemporâneo da série.