Com síndrome dos ovários policísticos, americana tem menstruação de 83 dias e vai para o hospital

A escritora americana Ronny Maye, diagnosticada com a síndrome dos ovários policísticos em 2015, relata ter tido um sangramento menstrual que durou 83 dias e era tão intenso que a levou ao hospital, onde recebeu transfusões de sangue.

Papinhas de bebê: estudo encontra 21 substâncias tóxicas ao organismo humano

Parece ser mais novo ou velho do que é? Novo estudo revela que idade aparente está ligada ao risco de doenças; saiba quais

Segundo seu relato, compartilhado na revista Insider, ela sangrava tanto que parecia que estava grávida e a bolsa havia estourado. “Nunca entrei em trabalho de parto, mas em um dia aleatório de primavera em 2018, levantei-me da minha mesa e experimentei o que só posso imaginar, como se fosse sua bolsa estourando. Quando olhei para o meu assento e para o chão, estava de pé sobre uma pequena poça de sangue”, contou à publicação.

Após esperar três horas por atendimento no hospital, um médico desacreditou da sua condição, e questionou se ela tinha certeza que estava “sangrando tanto quanto diz que está”. Anêmica, desidratada e com a pressão caindo, precisou de transfusões de sangue, mas o médico quis mandá-la para casa. Ela não aceitou e acabou ficando uma semana internada.

“Eu sabia que se fosse para casa sem controlar o sangramento, seria uma situação perigosa. Em minha mente, eu estaria indo para casa para possivelmente morrer”, conta ela a Insider.

'Depression room': bagunça piora humor e pode ser sinal de crise na saúde mental; saiba como arrumar

Ronny Maye descobriu que tinha ovários policísticos após diversos períodos irregulares. O relato serve de alerta para uma condição que afeta muitas mulheres.

Entenda a síndrome

A síndrome dos ovários policísticos (SOP) é uma alteração hormonal comum que pode acontecer em mulheres em todas as idades, apesar de ser mais frequente no início da adolescência. Ela é caracterizada por alterações nos níveis de hormônios circulantes no sangue, o que acaba por favorecer a formação de diversos cistos no ovário, levando ao surgimento de sintomas como menstruação irregular e dificuldade para engravidar.

Por conta do aumento dos níveis de hormônios masculinos no corpo da mulher, também podem surgir outros tipos de sintomas como o crescimento de pelos no rosto e corpo, além do surgimento de acnes. Queda de cabelos, aumento de oleosidade da pele, ganho de peso de forma não intencional e o atraso no desenvolvimento das mamas, também são sinais da síndrome. As manifestações podem variar de mulher para mulher e de acordo com as alterações hormonais.

Caso a mulher apresente ao menos dois sintomas da doença é importante procurar o atendimento de um ginecologista para iniciar com prontidão o tratamento adequado que pode ser feito por meio de remédios para aliviar as manifestações, como pílula anticoncepcional. Nos casos mais graves, quando há uma grande quantidade de cistos, aumentando o tamanho do ovário, pode ser recomendada a realização de cirurgia para retirar os cistos ou o ovário.