Com saída de Fernando Diniz, diferença entre Renato Gaúcho e segundo mais longevo é de três anos e cinco meses; veja lista

O Globo
·1 minuto de leitura

A saída de Fernando Diniz do São Paulo não chega a entrar na conta da cultura das demissões de treinadores do futebol brasileiro. A duração de um ano e quatro meses de sua passagem pela equipe paulista é vista pela maioria dos analistas de futebol como suficiente para ele implementar seu trabalho. Ainda assim, sua dispensa joga os holofotes para o tema, pois evidencia a falta de tempo que os clubes dão aos técnicos. Isso porque ela escancara a distância de Renato Gaúcho, o mais longevo do país, para os demais comandantes da Série A.

O treinador gremista está há quatro anos e quatro meses no cargo. O período chama a atenção não só no futebol brasileiro, mas em todo o mundo. E a diferença para o novo segundo mais longevo do país agora é de três anos e cinco meses.

Com a demissão de Diniz, Renato tornou-se o único treinador do país há pelo menos um ano no cargo. Jorge Sampaoli, o segundo da lista, completa 11 meses na próxima quarta-feira. Guto Ferreira completa o pódio. Ele está há dez meses no comando do Ceará. Confira a lista no final da matéria.

A diferença de Renato para os demais mostra que sua longevidade é a exceção do futebol brasileiro. A regra, na verdade, é o treinador não dispor de tempo e da paciência das diretorias e torcidas.

Técnicos mais longevos da Série A

Renato Gaúcho (Grêmio) - 4 anos e 4 mesesJorge Sampaoli (Atlético-MG) - 10 meses e 29 diasGuto Ferreira (Ceará) - 10 meses e 14 diasCuca (Santos) - 5 meses e 25 diasJair Ventura (Sport) - 5 meses e 8 dias