Com Senado dos EUA em jogo, Geórgia vai às urnas em segundo turno

Nathan Layne e Joseph Ax
·2 minuto de leitura
Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, faz campanha para candidatos democratas ao Senado pela Geórgia Jon Ossoff e Raphael Warnock em Atlanta

Por Nathan Layne e Joseph Ax

ATLANTA (Reuters) - O controle do Senado dos EUA --e com ele a capacidade de bloquear ou promover a agenda do presidente eleito Joe Biden-- está em jogo em duas eleições de segundo turno no Estado da Geórgia nesta terça-feira, após uma campanha vertiginosa que bateu recordes de gastos e votação antecipada.

Os atuais senadores republicanos David Perdue e Kelly Loeffler estão tentando conter os desafiantes democratas Jon Ossoff, um documentarista, e o reverendo Raphael Warnock, pastor de uma igreja negra histórica em Atlanta, num Estado em que Biden venceu por pouco na eleição presidencial do dia 3 de novembro.

Os dias finais da tumultuada disputa foram dominados pelos esforços contínuos do presidente Donald Trump para subverter os resultados das eleições. No sábado, ele pressionou o secretário de Estado da Geórgia, um republicano, para reverter a vitória estadual de Biden, alegando fraude em massa, ao contrário das evidências.

Ilustrando o que está em jogo, tanto Trump quanto Biden fizeram campanha na Geórgia na segunda-feira, Trump no noroeste e Biden em Atlanta.

O presidente chamou a eleição de 3 de novembro de "fraudada" e falsamente alegou que venceu no Estado, usando o discurso para expressar queixas sobre sua derrota.

"Não há como perdermos na Geórgia", disse Trump, enumerando uma longa lista de teorias da conspiração infundadas sobre fraude eleitoral.

A vitória de Biden em novembro, a primeira de um candidato presidencial democrata na Geórgia em quase 30 anos, demorou mais de uma semana para ser confirmada, e as contestações jurídicas subsequentes da campanha de Trump empurraram a certificação final do Estado para dezembro.

Uma vitória dupla dos democratas dividiria o Senado em 50 a 50, com o voto de desempate da vice-presidente eleita Kamala Harris garantindo aos democratas o controle do Senado. O partido já detém uma estreita maioria na Câmara dos Deputados.

Um Senado controlado pelos republicanos provavelmente bloquearia muitas das metas políticas mais ambiciosas de Biden em áreas como pacote econômico, mudança climática e policiamento.

"Isso não é exagero: Geórgia, toda a nação está olhando para vocês", disse Biden no comício de segunda-feira. "Um Estado pode traçar o curso, não apenas para os próximos quatro anos, mas para a próxima geração."

As urnas estão abertas até às 19h (21h de Brasília). Cerca de 3 milhões de votos já foram depositados nas votações antecipadas pessoalmente e pelo correio, refletindo uma tendência observada na eleição presidencial de novembro devido à pandemia.

A não ser por um resultado inesperadamente desequilibrado, é improvável que os vencedores sejam conhecidos na terça-feira, e talvez demore dias, já que as autoridades estaduais não têm permissão para começar a contagem dos votos antes do fechamento das urnas.

(Reportagem de Nathan Layne em Atlanta e Joseph Ax em Princeton, Nova Jersey)