Com Tatto, PT deve ter o pior desempenho do partido em SP

ARTUR RODRIGUES E JOELMIR TAVARES
·5 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 12.11.2020 - O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Jilmar Tatto (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, 12.11.2020 - O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Jilmar Tatto (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após governar a cidade de São Paulo três vezes e estar presente nas disputas de segundo turno, o PT deve terminar as eleições municipais paulistanas para prefeito de 2020 reduzido ao status de nanico e com sua pior participação na história.

Escolhido após o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) se recusar a disputar as eleições novamente, Jilmar Tatto chega ao dia da votação empatado tecnicamente com candidatos como Andrea Matarazzo (PSD), Marina Helou (Rede) e Vera Lúcia (PSTU), bem longe da briga pelo segundo lugar, segundo pesquisa Datafolha divulgada na quarta (11).

O ex-deputado federal teve a candidatura questionada desde o início pela militância e por apoiadores históricos do PT, como o cantor Chico Buarque e o escritor Leonardo Boff, que viram na figura de Guilherme Boulos (PSOL) maior chance de chegar ao segundo turno.

Boulos conseguiu abocanhar eleitores do PT na classe média, sem, no entanto, alcançar performance semelhante na periferia, território onde o partido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, historicamente, goza de maior apoio.

Nas bordas da cidade, o eleitorado começou tendo Celso Russomanno (Republicanos) como preferido e, ao longo da campanha, migrou para Covas, com a máquina a seu favor e 40% de todo o tempo de TV.

Com a maior bancada na Câmara dos Deputados, o Partido dos Trabalhadores ficou com a terceira maior fatia do horário eleitoral gratuito, o equivalente a 11% do total.

O tempo de TV e a presença de Lula nas peças não foram suficientes para melhorar a performance do ex-parlamentar e ex-secretário municipal de Transportes, protagonista da pior eleição do PT para prefeito em São Paulo de todos os tempos.

A escolha do nome do candidato expôs, desde o princípio, o clima de divisão interna na legenda, que culminou em um tumultuado processo de prévias, com trocas públicas de alfinetadas entre os concorrentes e apelo por intervenção de Lula para aparar arestas.

Com ascendência sobre a máquina do partido, Tatto reuniu a maior quantidade de apoios, mas venceu por margem apertada. Ele teve 312 votos, ante 297 do deputado federal Alexandre Padilha.

O hoje candidato detinha uma vantagem inicial, que acabou se afunilando ao longo da batalha pelo apoio dos membros dos diretórios regionais. Com isso, já na partida, ele tinha obstáculos a vencer dentro e fora de casa.

O temor de um vexame assombrava uma ala dos petistas, que, conforme mostrou a Folha de S.Paulo, recorreu a Lula na esperança de que o ex-presidente convencesse Haddad a assumir a candidatura, plano que acabou frustrado.

Desde 1988, o PT venceu as eleições, foi para o segundo turno ou ao menos terminou em segundo lugar na corrida para prefeito de São Paulo.

Em 2016, o então prefeito Haddad não conseguiu se reeleger e perdeu para João Doria (PSDB) no primeiro turno --o tucano teve 53,29% dos votos válidos, contra 16,7% do petista, o segundo colocado.

A situação que tirou Haddad do segundo turno era bem diferente. Na esteira do estrago causado pela Lava Jato e pelo impeachment de Dilma Rousseff, a preferência pelo PT chegou a 9% no país em dezembro de 2016, segundo o Datafolha.

Atualmente, segundo a última pesquisa focada apenas em São Paulo, 19% da população têm o PT como partido predileto.

O ano de 2020 expôs ainda o isolamento da legenda na capital. Foi a primeira vez que a sigla disputou a prefeitura sozinha, sem nenhum partido coligado, o que só tinha acontecido antes em 1985.

Embora a possibilidade de derrota seja tratada ainda com reserva por líderes do partido, o discurso que se desenha para essa hipótese é o de que o PT sairá desta eleição com uma vitória política, apesar do malogro na esfera eleitoral.

Na quinta (12), falando a jornalistas nos bastidores do debate promovido pela TV Cultura, Tatto afirmou que foi bem recebido por onde passou e percebeu um clima diferente do das campanhas de 2018 e 2016, em que o lavajatismo e o impeachment deDilma dominavam a pauta.

"Olha, eu sei a diferença [entre esta e as outras campanhas]. O povo fala do PT, quer o PT de volta, e o 13 está muito forte", afirmou na ocasião.

Líder do PT na Câmara, o vereador Alfredinho afirma que em 2016 era possível sentir a hostilidade da população na rua. Agora, disse ele à Folha, a situação é outra.

"O povo está no recebendo com muita educação, a maioria dando sinal de positivo. Claro que tem uns raivosos de direita e extrema direita", afirma. Por isso, sustenta que acredita que Tatto ainda chegue ao segundo turno.

Falando extraoficialmente, porém, outros petistas afirmam que a derrota de Tatto era previsível desde o começo. Candidato ao Senado em 2018, ele terminou em sétimo lugar, com 6% dos votos.

O PT ficou sem opções para a prefeitura quando o ex-prefeito Haddad --que assumiu a candidatura nacional em 2018 com o impedimento de Lula e perdeu no segundo turno para o presidente Jair Bolsonaro-- se recusou a concorrer novamente na capital.

Consolidada a escolha de Tatto, veio uma segunda novela: a definição do vice na chapa, ou da vice, como era a preferência desde o começo. A orientação era encontrar alguém cujo perfil empolgasse a militância e ampliasse o alcance da candidatura, com um aceno ao feminismo e à valorização da periferia.

Um dos primeiros nomes aventados foi o da professora e ex-primeira-dama Ana Estela Haddad, que acabou declinando da proposta. Outras mulheres foram sondadas ao longo de quatro meses e foram, uma a uma, saindo do páreo.

O impasse só se resolveu na última hora, no limite do prazo imposto pela Justiça Eleitoral para o registro de vice, e terminou longe da proposta inicial. O escolhido foi um homem, o deputado federal Carlos Zarattini (SP).

O deputado, que estava relutante, aceitou o convite, especialmente após um pedido de Lula. Zarattini havia se inscrito nas prévias internas que escolheram Tatto candidato e deixou diferenças de lado para se unir ao ex-rival e dar um peso político à candidatura.

Vereadores pelo partido afirmam estar confiantes de que a performance de Tatto não irá prejudicá-los. Isso porque há alguns com público cativo e puxadores de votos, como Eduardo Suplicy, além de outros com uma base territorial muito forte, principalmente no extremo sul da capital.

Nas últimas eleições, foram eleitos nove vereadores petistas, apenas dois a menos que o PSDB, que teve o maior número de parlamentares. Para as eleições atuais, a projeção do partido é que fique entre 7 e 11 vereadores.