Combates deixam 1.350 deslocados na fronteira entre Colômbia e Venezuela

(Arquivo) Membro do ELN patrulha o departamento colombiano de Choco

Pelo menos 1.350 pessoas fugiram dos combates entre rebeldes do ELN e grupo maoísta em Norte de Santander, no nordeste da Colômbia, na fronteira com a Venezuela, de acordo com um relatório da ONU divulgado nesta quinta-feira.

O Escritório para a Coordenação de Assuntos Humanitários das Nações Unidas na Colômbia indicou que centenas de habitantes dos municípios de San Calixto e Hacarí se deslocaram para "espaços humanitários".

Os moradores da região de Norte de Santander foram apanhados no fogo cruzado entre guerrilheiros do ELN e membros da desmobilizada guerrilha maoísta do Exército de Libertação Popular (EPL), que disputam território.

Até a última quinta-feira, seis combatentes haviam morrido, segundo o alto comando militar colombiano.

O Norte de Santander é o segundo departamento com mais cultivos de folha de coca, matéria-prima para cocaína e um corredor estratégico para traficar drogas para a Europa e os Estados Unidos.

Na quarta-feira, a Defensoria Pública informou que 2.200 outras pessoas tiveram de fugir em razão dos confrontos entre grupos armados de tráfico de drogas nos departamentos de Antioquia e Córdoba (noroeste).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos