Combates intensos persistem na Síria na iminência de novas conversas de paz

BEIRUTE, (Reuters) - O Exército da Síria e aliados, inclusive grupos jihadistas, lutaram na capital Damasco e no norte de Hama nesta quinta-feira, na esteira da maior ofensiva dos insurgentes em meses, sublinhando as perspectivas desanimadoras para as conversas de paz que serão retomadas no final do dia.

Parece improvável que a ofensiva consiga reverter 18 meses de avanços militares contínuos do governo, que culminaram com a captura do enclave rebelde de Aleppo em dezembro, mas a operação mostrou a dificuldade do Exército para defender muitas frentes simultaneamente.

A intensificação dos combates nas últimas semanas, ocorrida apesar da vigência de um cessar-fogo mediado pela Rússia e pela Turquia também em dezembro, lança novas dúvidas sobre os esforços de pacificação em Genebra, onde as negociações serão retomadas nesta quinta-feira depois de apresentarem pouco progresso em rodadas recentes.

"Esperamos ver algum parceiro sério do outro lado da mesa", disse Salem al-Muslet, porta-voz do opositor Alto Comitê de Negociação (HNC, na sigla em inglês), na cidade suíça.

O governo do presidente sírio, Bashar al-Assad, que tem apoio da Rússia, do Irã e de milícias xiitas, também está presente nas conversas de Genebra.  Os dois lados se acusam de violar o cessar-fogo.

Em Damasco, a intensidade dos combates nos arredores da zona industrial de Jobar, no limiar dos bairros centrais da capital, aumentou depois da meia-noite, relatou o Observatório Sírio dos Direitos Humanos, grupo de monitoramento da guerra sediado no Reino Unido, nesta quinta-feira.

Uma unidade de mídia militar do Hezbollah, grupo libanês aliado do governo sírio, relatou confrontos em Jobar no início desta quinta-feira e um bombardeio pesado direcionado a posições dos rebeldes e à movimentação na área.

A televisão estatal mostrou um repórter falando do bairro de Abassiyin, na capital, no horário de pico matutino, mas a rua parecia tranquila, só com um ou dois carros e poucos pedestres, e o som repetido de explosões ao fundo.

Perto de Hama, insurgentes liderados pela aliança jihadista Tahrir al-Sham, mas também contando com grupos que lutam sob a bandeira do Exército Livre da Síria, fizeram novos avanços da noite para o dia e o enfrentamento continuou nesta quinta-feira, disse o Observatório.

Os rebeldes controlaram mais de 11 cidades e vilarejos nas primeiras 24 horas de sua ofensiva, iniciada no final da terça-feira, e estão a poucos quilômetros da cidade de Hama, informou a entidade. Na quarta-feira uma fonte militar síria disse que reforços estão a caminho do fronte de Hama.

A facção mais poderosa do Tahrir al-Sham é a antiga Frente Al-Nusra, que era a filiada oficial da Al Qaeda na Síria até cortar relações formalmente no ano passado.

(Por Angus McDowall; reportagem adicional de Issam Abdallah em Genebra)