Combates entre LNA e islamitas deixam 20 mortos em Benghazi

Trípoli, 18 mar (EFE).- Cerca de 20 soldados e milicianos morreram neste sábado na cidade de Benghazi em combates entre grupos islamitas e unidades do chamado Exército Nacional Líbio (LNA), comandado pelo marechal Khalifa Hafter, homem forte do leste do país.

Um responsável do grupo de tendência islamita "Majlis al Shura" afirmou à Agência Efe que pelo menos 15 de seus homens morreram e vários ficaram feridos em bombardeios da aviação sob o comando de Hafter no centro-sul da cidade.

Segundo Milad al Zwai, um dos porta-vozes do LNA, 23 inimigos morreram no combate e seis foram detidos, enquanto suas forças perderam cinco soldados.

O LNA deteve, além disso, um grupo de famílias que tentavam de fugir desta estratégica zona, acrescentou o porta-voz.

Nenhuma destas informações foi confirmada, desmentida ou verificada por fontes independentes.

Benghazi, segunda cidade da Líbia e capital da revolta que em 2011 acabou com a ditadura de Muammar Kadafi, vive há três anos sob assédio das tropas de Hafter, um ex-membro da cúpula militar que alçou o tirano ao poder.

Recrutado anos depois pela CIA, Hafter retornou à Líbia no início da revolução que acabou com a ditadura de Kadafi, em 2011, e desde então cresceu entre os rebeldes antes de se tornar o homem mais forte do país.

No interior, resistem desde então várias milícias alinhadas ao antigo governo islamita em Trípoli, considerado rebelde, grupos salafistas estrangeiros e inclusive jihadistas vinculados ao Estado Islâmico. EFE