Combates na província iemenita de Marib matam 50 pessoas

·2 minuto de leitura
Um desfile por ocasião do 59º aniversário do Dia da Revolução em 25 de setembro de 2021 em Marib, nordeste do Iêmen (AFP/-)

Pelo menos 50 rebeldes e membros das forças leais ao governo foram mortos em combates nas últimas 48 horas na província de Marib, no norte do Iêmen, informaram fontes militares neste domingo (26).

Marib é o último reduto controlado pelo governo no norte do Iêmen, e os rebeldes houthis apoiados pelo Irã vêm tentando tomá-lo há meses.

Um total de "43 combatentes houthis foram mortos nas últimas 48 horas, a maioria em ataques liderados pela coalizão" na província de Marib, declarou à AFP uma fonte militar do governo.

Pelo menos sete combatentes pró-governo morreram nos combates, de acordo com outras fontes.

Os houthis, que intensificaram seus esforços para capturar Marib desde fevereiro, raramente reportam suas vítimas nos combates.

Cerca de 400 combatentes de ambos os lados morreram neste mês de setembro, durante o qual os combates aumentaram em Marib.

O controle dessa região rica em petróleo, localizada a cerca de 120 quilômetros da capital Sanaa, fortaleceria a posição dos houthis em futuras negociações de paz.

O conflito no Iêmen, um país pobre da Península Arábica, eclodiu em 2014 após uma ofensiva dos houthis partindo de seu reduto de Saada, no norte do país, para assumirem o controle da capital Sanaa.

Desde então, o país se tornou palco da pior catástrofe humanitária do mundo de acordo com a ONU, com dezenas de milhares de mortes segundo ONGs e uma população à beira da fome.

Enquanto a ONU e Washington pressionam pelo fim da guerra, os houthis exigem a reabertura do aeroporto de Sanaa, fechado sob bloqueio da Arábia Saudita desde 2016, antes de qualquer cessar-fogo ou negociações.

Os esforços da ONU nos últimos anos para acabar com os combates foram em vão. Em junho passado, o ex-enviado da ONU para o Iêmen, Martin Griffiths, redigiu um relatório constando seu fracasso após uma missão de três anos.

Seu sucessor, o diplomata sueco Hans Grundberg, visitou recentemente Omã, país que desempenha um papel mediador no conflito iemenita.

Lá, ele se encontrou com autoridades de Omã e houthis, incluindo o negociador-chefe dos rebeldes, Mohammed Abdelsalam.

"Uma paz duradoura só pode ser alcançada por meio de um acordo negociado pacificamente", disse Grundberg, segundo um comunicado.

"É imperativo que todos os esforços sejam feitos para relançar um processo político que possa gerar soluções duradouras que atendam às expectativas das mulheres e dos homens iemenitas", acrescentou.

faw-sy/csl/hj/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos