Começa julgamento contra autor de massacre escolar nos EUA que deixou 17 mortos

O julgamento de Nikolas Cruz, jovem que matou 17 pessoas em 2018 em um dos piores massacres escolares dos Estados Unidos, começa nesta segunda-feira (18) na Flórida para definir sua sentença: pena de morte ou prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional.

O tiroteio chocou todo o país e, especialmente, o sul da Flórida, onde foram necessários quase três meses para selecionar 12 jurados - sete homens e cinco mulheres - considerados imparciais o suficiente para decidir o destino do autor confesso do massacre.

Em 14 de fevereiro de 2018, Cruz semeou pânico em Parkland, uma pequena cidade ao norte de Miami, ao entrar na escola Marjory Stoneman, de onde havia sido expulso um ano antes, com um fuzil semiautomático AR-15.

Em poucos minutos, matou 14 estudantes e três adultos e causou 17 feridos.

Em outubro, ele se declarou culpado de todos os 17 assassinatos cometidos naquele dia, bem como de 17 tentativas, uma para cada ferido.

O julgamento vai determinar se Cruz merece ser condenado à morte, uma decisão que o júri deve alcançar por unanimidade. De acordo com a lei da Flórida, se um único jurado rejeitar a pena capital, a sentença do jovem será de prisão perpétua sem liberdade condicional.

O processo, que pode levar vários meses, é incomum para os Estados Unidos, onde é raro que os autores de tal massacre sobrevivam ao ataque.

E certamente chamará a atenção em um país abalado por uma série de tiroteios sangrentos como o de uma escola em Uvalde, Texas, onde 19 crianças e dois adultos morreram em maio deste ano; o de um supermercado em Buffalo (Nova York), em que morreram 10 pessoas; ou o que deixou sete mortos durante um desfile de 4 de julho em Highland Park (Illinois).

Como em Parkland, todos esses massacres foram cometidos por homens muito jovens armados com fuzis de assalto.

As audiências deverão ser comoventes, com depoimentos de familiares e sobreviventes, bem como a divulgação de vídeos gravados por testemunhas da tragédia.

"Sinto muito pelo que fiz e tenho que viver com isso todos os dias", disse Cruz em outubro depois de se declarar culpado.

A acusação, por sua vez, certamente se concentrará na natureza premeditada dos assassinatos, com base em um vídeo que Cruz gravou antes do massacre.

"Vou ser o próximo atirador em uma escola de 2018", disse na gravação. "Não sou ninguém, minha vida não é nada e não tem sentido", acrescentou.

Apesar de seu histórico psiquiátrico e avisos de várias pessoas próximas sobre sua periculosidade, Cruz conseguiu comprar legalmente um fuzil semiautomático.

Após a tragédia, suas vítimas registraram queixa contra a Polícia Federal (FBI) por ignorar essas informações. O Departamento de Justiça concordou em março em pagar US$ 127,5 milhões para resolver o processo.

Quando aconteceu, o massacre de Parkland foi o pior em uma escola dos EUA desde o tiroteio de Sandy Hook em 2012, no qual 26 pessoas foram mortas.

E provocou uma mobilização inédita liderada por vários jovens sobreviventes e pais de vítimas. Em 24 de março de 2018, a "Marcha por Nossas Vidas" reuniu 1,5 milhão de pessoas em todo o país, a maior manifestação já realizada nos Estados Unidos em favor de um maior controle das armas.

Porém, desde então, nenhuma reforma legislativa foi aprovada no Congresso, e as vendas de armas continuaram aumentando.

Após os últimos incidentes com armas de fogo, foi aprovada uma modesta lei federal que prevê o aumento do financiamento para a segurança escolar e a saúde mental.

bur-chp/dax/gma/gm/mr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos