Comemoração do fim da Primeira Guerra Mundial prejudicada pelo confinamento

·1 minuto de leitura
O "Remembrance Sunday" (Domingo da Lembrança) é tradicionalmente marcado pelas homenagens aos soldados britânicos e da Commonwealth mortos na guerra e nos conflitos posteriores
O "Remembrance Sunday" (Domingo da Lembrança) é tradicionalmente marcado pelas homenagens aos soldados britânicos e da Commonwealth mortos na guerra e nos conflitos posteriores

As homenagens aos soldados mortos na Primeira Guerra Mundial, que no Reino Unido costumam ser celebradas em grande estilo, foram drasticamente reduzidas este ano devido à pandemia de coronavírus, que dificultou a arrecadação de fundos para os veteranos.

O "Remembrance Sunday" (Domingo da Lembrança) é tradicionalmente marcado pelas homenagens aos soldados britânicos e da Commonwealth mortos na guerra e nos conflitos posteriores. 

Com concertos, serviços religiosos e desfiles, o Reino Unido celebra no domingo mais próximo ao 11 de novembro, data do armistício assinado em 1918 entre Alemanha e os Aliados.  

No entanto, com a segunda onda da pandemia, que causou quase 48.000 mortes no país desde o início do ano, a Inglaterra entrou em um segundo confinamento na quinta-feira, que limitará a interação social por quatro semanas. 

No Cenotáfio, monumento dos mortos no centro de Londres, a solene cerimônia de oferenda de flores será mantida, mas sem público ou desfile de veteranos.

Muitos serviços religiosos foram cancelados ou serão realizados online.  

Neste ano, o tradicional concerto no Royal Albert Hall foi pré-gravado e a BBC o transmitirá no sábado, com a participação do príncipe Carlos e do veterano da Segunda Guerra Mundial Tom Moore.

O governo pediu aos organizadores dos eventos locais que "não incentivem o público a comparecer". O porta-voz de Downing Street destacou que a data é "de importância nacional", mas lembrou que as regras do confinamento são "claras".

am-acc/mis/aa