Comerciante explica-se após ameaça a prefeito de Araraquara: “Cabeça quente” e “desesperado”

Redação Notícias
·4 minuto de leitura
Prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT) chegou a registrar BO por ameaças - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT) chegou a registrar BO por ameaças - Foto: Reprodução/Redes Sociais
  • Deivid Vieira afirmou que ia "esfaquear" Edinho Silva por causa do lockdown na cidade

  • O prefeito registrou Boletim de Ocorrência por causa das ameaças

  • Em entrevista, Deivid afirmou que não teria coragem de cumprir a ameaça e que estava "de cabeça quente"

O comerciante responsável por ameaças de morte ao prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), tentou explicar-se nesta segunda-feira. Deivid Vieira afirmou que estava “de cabeça quente” e “desesperado” por conta de sua situação financeira após o lockdown decretado na cidade para combate à Covid-19.

“Na hora da cabeça quente, a gente fala o que quer. Isso foi um desabafo de um pai desesperado que quer abrir o seu negócio e trabalhar, porque hoje em dia trabalhar é crime”, declarou em entrevista à EPTV, afiliada da Globo na região.

Leia também:

Em publicação no Facebook, Deivid perguntou se “alguém sabe onde o prefeito Edinho Silva mora”, ilustrando a imagem com figuras de fogo, caixão, faca e caveira. Ao ser desafiado por um amigo, que duvidou de sua “coragem”, o comerciante afirmou: “Aqui tem coragem, mas queria só um round com ele primeiro. Depois, ia esfaquear de baixo para cima”.

A postagem, entre outras também com tom ameaçador, fez com que Edinho acionasse a Polícia Militar e registrasse um Boletim de Ocorrência sobre o caso na Polícia Civil.

O prefeito vem sofrendo muitas críticas pela decisão de decretar o lockdown na cidade, ainda que os resultados da política adotada sejam positivos. Deivid, que trabalha como luthier e tem um comércio na cidade, culpou o enrijecimento do isolamento social pelas dificuldades financeiras que atravessa, mas garantiu que não teria coragem de fazer o que publicou nas redes sociais.

“Eu sou pai de família, você acha que eu vou passar minha vida na cadeia? Isso foi um momento desesperador. A gente tem um comércio, precisa trabalhar. Eu não sou o único pai desesperado querendo trabalhar e colocar comida na mesa”, comentou.

Lockdown zerou óbitos por Covid-19

Enquanto o estado de São Paulo se consolida no pior momento da pandemia com mortes escalando em alta velocidade [registrando mais de mil óbitos diários em sequência], Araraquara chegou a registrar nenhuma vítima da doença na sexta (26), de acordo com o governo municipal.

Enquanto estado de SP vive aumento de mortes, Araraquara zerou óbitos pela Covid-19 na última sexta-feira (26) - Foto: AP Photo/Andre Penner
Enquanto estado de SP vive aumento de mortes, Araraquara zerou óbitos pela Covid-19 na última sexta-feira (26) - Foto: AP Photo/Andre Penner

Segundo o prefeito, a medida de restrição acabou com o problema de leitos e amenizou a questão das mortes na cidade.

"Isso significa que nós viveremos uma situação melhor no mês de abril. Claro, Araraquara é referência regional, mesmo a queda de leitos vai nos dar uma margem maior para poder ajudar a região que está numa situação muito difícil", projetou o petista ao comentar o sucesso da medida.

Entenda como foi o lockdown em Araraquara

A cidade do interior paulista viveu um caos em meados de fevereiro por causa do aumento de internações e mortes pela Covid-19. Para reverter esse quadro, impulsionado pela identificação da variante de Manaus do coronavírus, a prefeitura determinou um rígido lockdown. Em evento do governo de São Paulo sobre novo estudo do Instituto Butantan, Silva atribuiu a melhora na Saúde municipal às medidas sanitárias tomadas.

A quarentena em Araraquara passou a valer a partir do meio-dia do dia 21 de fevereiro. A princípio, ela ficaria em vigor apenas até à meia-noite do dia 23. No entanto, diante da gravidade da pandemia, a prefeitura prorrogou a proibição de ter pessoas e veículos nas vias públicas.

Há uma semana Araraquara, no interior de SP, entrou em lockdown, com fechamento de lojas e restaurantes. Desde domingo (21) nem supermercados ou postos de gasolina podem abrir. Foto: Prefeitura Municipal de Araraquara
Há uma semana Araraquara, no interior de SP, entrou em lockdown, com fechamento de lojas e restaurantes. Desde domingo (21) nem supermercados ou postos de gasolina podem abrir. Foto: Prefeitura Municipal de Araraquara

Com relação ao comércio, supermercados podiam funcionar apenas por delivery e atendimento presencial podia ser feito só em farmácias e unidades de saúde. O transporte coletivo também foi interrompido.

A permissão para a população sair de casa foi concedida, segundo o decreto, apenas nos casos de obtenção de atendimento ou socorro médico, incluindo animais, aquisição de produtos ou prestação de serviços essenciais, embarque e desembarque no terminal rodoviário e entrada ou saída do município por outros meios de locomoção, além de ocorrências de urgência.