Comissária da ONU para Direitos Humanos alerta para ameaças a ambientalistas no Brasil e pede transparência nas eleições

A chilena Michelle Bachelet falou na manhã desta segunda-feira (13) em Genebra, na Suíça, durante a abertura do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Ela citou o risco de ataques a políticos eleitos e candidatos nas próximas eleições gerais, além de citar a sua preocupação com a diminuição do debate público no Brasil.

Bachelet pediu que o governo brasileiro possa garantir o “respeito aos direitos fundamentais”, no país, destacando a preocupação com ameaças crescentes a ambientalistas e indígenas. Dessa vez, ela não citou nenhum caso em específico, mas Bachelet já havia se pronunciado, recentemente, sobre o desaparecimento do jornalista inglês Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira, no estado do Amazonas.

“No Brasil, eu estou alarmada com as ameaças contra defensores dos direitos humanos e ambientais e contra os povos indígenas, incluindo a contaminação pela exposição à mineração ilegal de ouro”, disse a alta comissária da ONU. “Casos recentes de violência policial e racismo estrutural são preocupantes, assim como os ataques contra legisladores e candidatos, particularmente os afrodescendentes, mulheres e pessoas LGBTQI+ antes das eleições gerais do país, em outubro”, completou. “Peço às autoridades que garantam o respeito aos direitos fundamentais e instituições independentes”, disse Bachelet.

“Eu peço que em todas as partes do mundo as eleições possam ser justas, transparentes e que as pessoas possam participar livremente. Será um movimento democrático muito importante e não deve haver interferência de nenhuma parte para que o processo democrático possa ser alcançado”, completou.

Crise deve atingir os mais vulneráveis

Aprender com lições da pandemia


Leia mais

Leia também:
Diante de críticas, Michelle Bachelet defende atuação da ONU em visita à China
Visita de Bachelet a Xinjiang pode virar “coreografia da propaganda chinesa", diz porta-voz dos uigures
Na ONU, Bachelet pede investigação 'independente' sobre mortes por violência na Colômbia

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos