Comissão Eleitoral da RDC pede à ONU apoio a autoridades eleitas

Partidários de Felix Tshisekedi celebram em Kinshasa, em 10 de janeiro de 2019

O presidente da Comissão Eleitoral congolesa, Corneille Nangaa, pediu nesta sexta-feira ao Conselho de Segurança da ONU que apoie as novas autoridades eleitas na República Democrática do Congo (RDC), e advertiu contra a anulação das eleições.

"Agora temos um presidente eleito e as novas autoridades devem ser apoiadas pela comunidade internacional", disse ele durante uma videoconferência com o Conselho de Segurança.

"Anular as eleições significaria que as instituições no poder continuariam", disse ainda, em alusão ao governo do presidente cessante, Joseph Kabila, que está no comando do país desde 2001.

A comissão eleitoral (Ceni) declarou a oposição Félix Tshisekedi como vencedora nas eleições presidenciais de 30 de dezembro na RDC, resultado questionado pelo Ocidente e pela Igreja Católica, muito influente no país.

A União Africana (UA) advertiu, por sua vez, que a contestação dos resultados precisa acontecer "pacificamente", e insistiu na necessidade de "consolidar a democracia e preservar a paz", segundo declarou o presidente Musa Faki Mahamat.

O resultado ainda pode ser apelado no Tribunal Constitucional, que deve publicar os definitivos em 15 de janeiro, de acordo com o calendário eleitoral, que está três dias atrasado.

A posse está prevista para 18 de janeiro de acordo com esta agenda.