Comissão do PSDB decide que 92 filiados de SP sob suspeita não poderão participar de prévias

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SANTO ANDRÉ, SP, BRASIL, 17-10-2021:  Encontro do governador tucano Eduardo Leite (RS) com filiados em Santo André, na região do ABC. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)
***ARQUIVO***SANTO ANDRÉ, SP, BRASIL, 17-10-2021: Encontro do governador tucano Eduardo Leite (RS) com filiados em Santo André, na região do ABC. (Foto: Bruno Santos/ Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A comissão para prévias do PSDB decidiu nesta segunda-feira (1º) que nenhum dos 92 prefeitos e vices paulistas que estão no centro de acusação de suposta fraude do diretório paulista poderão participar do processo de seleção do candidato presidencial da sigla.

Diretórios do PSDB de Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia e Ceará, que atualmente apoiam a candidatura de Eduardo Leite, protocolaram a denúncia em que acusam o diretório paulista, comandado por aliados de João Doria, de fraudar as datas de filiações desses prefeitos e vice-prefeitos.

De acordo com a decisão da comissão partidária, eles devem ser excluídos da lista de eleitores das prévias, marcadas para 21 de novembro.

As regras das prévias tucana determinam que apenas filiados até 31 de maio deste ano podem participar da votação. Os apoiadores de Leite apontam que esses 92 políticos foram filiados posteriormente e registrados no sistema do partido com datas reatroativas.

A comissão partidária acatou o argumento e, por isso, decidiu invalidar a participação deles. Eles têm 72 horas para recorrer da decisão.

A decisão da comissão representa uma derrota para Doria, que tem defendido a participação dos correligionários. "Eleição não se ganha no grito, mas no voto. Eu aprendi a respeitar a democracia. Por que ter medo do voto? Não há razão para ter medo do voto", disse o governador na semana passada.

Em resposta, os diretórios de Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Bahia e Ceará, em nota, disseram que "se há algo que seja antidemocrático e antiético é fabricar eleitores depois de iniciado o certame, prática lamentável e repudiável".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos