Comlurb já retirou 260 toneladas de gigogas das praias da Barra

A Comlurb segue com o trabalho de remoção de gigogas nas praias da Barra. Desde sexta-feira até o fim da tarde desta segunda-feira, já foram recolhidas 260 toneladas da espécie de planta aquática. O problema surgiu depois que uma eco-barreira instalada na Lagoa da Tijuca, na altura do Itanhangá, se rompeu, permitido a passagem de detritos, inclusive as plantas. A instalação já foi consertada no sábado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), mas, mesmo assim, detritos continuaram a chegar à orla.

Veja o vídeo: Grupo de idosos dá prejuízo de R$ 70 mil à farmácia furtada na Zona Norte do Rio

Na calada da noite: Grupo de idosos invade farmácia e furta medicamentos na Zona Norte

As gigogas são plantas aquáticas nativas do sistema lagunar. O grande volume se deve ao fato de funcionar como um filtro, absorvendo nutrientes que estão disponíveis no esgoto que é despejado nas lagoas, o que faz com que se multipliquem de forma desordenada. Segundo o biólogo Mário Moscatelli, que acompanha o caso, a presença de gigogas não é nociva à Saúde , mas indica que o sistema não está em bom estado.

Após vídeo divulgado nas redes: Seguranças do rapper Orochi presos por porte ilegal de arma são alvos de investigação da PM

Participam da operação 70 garis, com apoio de duas pás carregadeiras, quatro tratores de praia, cinco caminhões basculantes, um compactador e um trator esteira. O serviço de remoção das gigogas continua, uma vez que ainda estão chegando plantas na praia.