'Como cidadã, tenho medo de viver no Brasil, país machista e violento', diz Beatrice Sayd

O Globo
·1 minuto de leitura

Beatrice Sayd resolveu transpor o drama de sua personagem na novela “Amor de mãe”, a empregada doméstica Edilene, para debates virtuais sobre a violência contra a mulher. “O número de agressões, que infelizmente aumentou muito na pandemia, em sua maioria é contra mulheres negras, sem ensino superior”, pontua a atriz, de 42 anos. “Nunca passei por isso, mas é um tema que me toca profundamente. Como cidadã, tenho medo de viver no Brasil, país machista e violento”.

Isolada em seu apartamento na Barra da Tijuca, a atriz conta que não conversou com vítimas para compor o enredo da personagem. "Infelizmente, é só abrir as páginas dos jornais e os sites de notícias para encontrar casos de violência doméstica. Os números são desesperadores: a cada 2 minutos, uma mulher é agredida no Brasil", ressalta ela.

As lives com especialistas acontecem em sua conta no Instagram, quartas e sextas-feiras às 20h. Nesta sexta, a convidada é a atriz Cristiane Machado, que foi vítima de violência doméstica.