Como Luis Enrique roubou os holofotes na Espanha e alimenta relações de amor e ódio com personagem excêntrico

Toda seleção participante desta Copa do Mundo tem aquele jogador que é a cara da equipe. No Brasil, Neymar. Na Argentina, Lionel Messi. Em Portugal, Cristiano Ronaldo. Mas na Espanha, essa pessoa é o treinador. Claro, diz muito sobre o período de transição que vive a geração espanhola, mas também mostra como o excêntrico Luis Enrique consegue roubar todos os holofotes. A Espanha estreia hoje diante da Costa Rica, às 13h (de Brasília), no Estádio Al Thumama. O grupo também conta com Alemanha e Japão, que se enfrentam na rodada.

'Lucho', como é apelidado pela torcida do Barcelona, onde foi ídolo como jogador, é daquelas personalidades que dividem opiniões. Amor e ódio são fáceis de serem vistas a cada repercussão entre torcedores. Apesar de nascido em Gijón, nas Asturias, é um independentista assumida à favor da Catalunha e rotineiramente está em pé de guerra com Madri — com torcedores e a mídia em geral.

Curiosamente, Luis Enrique já passou pelo Real Madrid, mas como jogador. No entanto, foi no Barcelona onde teve maior sucesso. Como treinador, foi o responsável por potencializar o 'trio MSN', formado por Lionel Messi, Neymar e Luis Suárez , que conquistou o título da Liga dos Campeões de 2014/2015.

'Lucho' não esconde a sua paixão pelo Barcelona e isso é confundido com as suas escolhas. Em maio de 2021, convocou a Espanha para a Eurocopa sem nenhum jogador do Real Madrid — e foi eliminado apenas nas semifiansi para a Itália, que viria a ser a campeã. Criticado pela imprensa da capital espanhola, usou suas redes sociais para postar um infográfico rebatendo algumas afirmações.

Essa má relação fez o excêntrico treinador anunciar no último final de semana que fará transmissões ao vivo em seu canal na "Twitch" para falar sobre sua e as outras seleções participantes da Copa do Mundo, com intuito de "estabelecer uma relação direta com os torcedores. Logo na primeira transmissão, disse que também torcerá pela Argentina.

— Se a Espanha não vencer a Copa, eu gostaria que a Argentina ganhasse. Um jogador da qualidade do Messi tem que se aposentar com uma Copa do Mundo, ainda mais na sua última. Se não ganharmos, torço pela Argentina — afirmou.

O espanhol também chamou a atenção para si quando decidiu deixar um telão disponível no CT onde a Espanha está treinando para dar suporte visual às suas explicações. Os walkie-talkies ajudam os atletas no entendimento das instruções personalizadas.

Na convocação para a Copa do Mundo, Luis Enrique bateu de frente com o desejo dos torcedores e não levou alguns medalhões. Em especial, o meia brasileiro naturalizado espanhol Thiago. O goleiro De Gea e o zagueiro Sergio Ramos foram outros que não foram chamados. Os dois últimos não esconderam a insatisfação com o comandante.

Sérgio Ramos foi preterido pelo treinador, que escolheu levar defensores mais jovens como Hugo Guillamón, de 22 anos, e Eric Garcia, de 21.

Esse estilo tem duas motivações: o lado excêntrico de Lucho de gostar dos holofotes e querer tirar a pressão da atual gerações espanhola, a mais nova a disputar uma Copa do Mundo neste século. Dos remanesces do título mundial de 2010, há apenas um: o volante Sérgio Busquets, do Barcelona. Como consequência, 20 dos escolhidos serão estreantes na competição, com direito a muitos jovens — como os Golden Boys Pedro e Gavi.