Como Lula, Bolsonaro e Ciro descartaram apoio a mulheres em eleições regionais

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Em comum, Lula, Bolsonaro e Ciro descartaram mulheres no processo de costuras eleitorais nos estados (Fotomontagem: Yahoo! Notícias)
Em comum, Lula, Bolsonaro e Ciro descartaram mulheres no processo de costuras eleitorais nos estados (Fotomontagem: Yahoo! Notícias)

Com tantas diferenças entre eles, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Ciro Gomes (PDT) e Jair Bolsonaro (PL) têm uma similaridade na costura de alianças para as eleições: preteriram mulheres na disputa de cargos relevantes para agradar aliados.

Bolsonaro pediu que a ex-ministra Damares Alves (Republicanos) desistisse da candidatura ao Senado pelo Distrito Federal. Já Lula virou as costas para Marília Arraes, que deixou o PT para concorrer ao governo do estado de Pernambuco pelo Solidariedade. Ciro Gomes, por sua vez, rifou a ideia de Izolda Cela (PDT) de se candidatar à reeleição.

As decisões tiveram como justificativa a costura de alianças nos cenários estaduais. Em comum, as três movimentações deixam de lado candidatas mulheres.

Lula e o impasse com Marília Arraes em Pernambuco

Marília Arraes ficou no PT durante seis anos e deixou o partido em março de 2022 para integrar o Solidariedade. Apesar de o partido estar na coligação do PT no âmbito nacional, em Pernambuco, a costura dos petistas é com o PSB, repetindo a aliança nacional. Lula apoia oficialmente Danilo Cabral, não Marília Arraes.

Apesar do apoio oficial de Lula ser a Danilo Cabral, a candidata do Solidariedade afirma ser do jogo político. Ela tem usado imagens do petista em propagandas da pré-campanha.

“É público e notório que vou votar em Lula e, logo, em seu vice, o Alckmin. O impasse entre minha candidatura e a aliança PT-PSB é local. São coisas da política”, disse Marília Arraes à revista Veja.

O impasse não passou batido aos apoiadores de Lula em Pernambuco. O petista esteve em Recife para um ato e o público vaiou Danilo Cabral, além de ter gritado o nome de Marília Arraes.

Bolsonaro pediu retirada da candidatura Damares

Damares Alves, ex-ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, quer sair candidata ao Senado pelo Distrito Federal. A ideia era que ela fosse apoiada por bolsonarista, no entanto, a chapa do presidente será encabeçada pelo atual governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB).

No entanto, segundo informações do colunista Lauro Jardim, de O Globo, o presidente teria ligado para Damares para pedir que ela desistisse da candidatura. No lugar dela, entraria outra mulher, a também ex-ministra Flávia Arruda, mas a pedido de um homem: o marido de Flávia, José Roberto Arruda – ele mesmo estava impedido de concorrer por ter tido os direitos políticos cassados e, agora, reestabelecidos.

“A Flávia ocupou um espaço importante, inclusive para as mulheres. Ela valorizou a marca que eu tinha construído com a minha história política. Acho que a hora é dela, de disputar a majoritária”, declarou o ex-governador em entrevista ao Correio Braziliense. José Roberto Arruda deve sair como candidato à Câmara dos Deputados.

Ao mesmo tempo, Damares ainda tem uma forte aliada na tentativa de ser candidata: a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, apoia a ex-ministra.

Ciro mina reeleição de Izolda

Izolda Cela (PDT) assumiu o governo do estado do Ceará após a saída de Camilo Santana (PT), que abriu mão do posto para concorrer a uma vaga no Senado Federal. No entanto, ela foi impedida de concorrer à reeleição pela comitiva do PDT.

Enquanto Izolda tinha o apoio do PT, que tem uma aliança com o PDT no estado, o candidato ao governo do estado, Roberto Cláudio, tinha consigo Ciro Gomes.

Após a decisão do PDT, a aliança entre o partido e o PT no Ceará não deve mais funcionar. Nesta segunda, o petista Elmano de Freitas foi anunciado como pré-candidato ao governo estadual pelo partido.

E Simone Tebet?

Simone Tebet é a candidata mulher com melhor pontuação, mas MDB se divide sobre apoio (Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)
Simone Tebet é a candidata mulher com melhor pontuação, mas MDB se divide sobre apoio (Foto: SERGIO LIMA/AFP via Getty Images)

Candidata mulher com maior intenção de voto, Simone Tebet (MDB) tem intenção de voto que varia de 1% até 4%, a depender da pesquisa. No entanto, o próprio MDB está rachando quanto ao apoio da candidata pelo partido.

Enquanto líderes do MDB em determinados estados declararam apoio a Lula já no primeiro turno, outra parte do partido insiste na candidatura de Tebet.

Além dela, outras mulheres que devem concorrer à eleição presidencial são Vera Lúcia (PSTU) e Sofia Manzano (PCD). Na maioria das pesquisas, a candidata do PSTU varia entre 1% e não pontuar, enquanto Sofia Manzano não costuma ser escolhida pelos eleitores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos