Como a Netflix foi criada | Do DVD por delivery ao streaming de vídeo

·8 min de leitura

Hoje ela é a casa de diversos filmes e séries que nós amamos e não cansamos de maratonar. Mas você já se perguntou como a Netflix foi criada? Pouca gente sabe, mas muito antes de ser uma plataforma de conteúdo por assinatura para o usuário assistir onde, quando e como quiser, a companhia trabalhava com entretenimento de uma forma bem diferente.

Atualmente, o serviço oferece filmes, séries e documentários por streaming a mais de 190 países em mais de 30 idiomas, produzindo conteúdo original desde 2013, quando lançou a série de drama político House of Cards sob o selo de exclusividade e, desde então, cresceu significativamente: em 2016, foram mais de 130 títulos originais lançado, e em 2021 a companhia lançou um filme original por semana durante todo o ano.

Presente também em premiações altamente reconhecidas do setor, como o Globo de Ouro ou o Primetime Emmy Awards, a Netflix hoje reúne séries de sucesso como The Crown, Ozark e Stranger Things em seu catálogo, atraindo milhões de assinantes para sua plataforma todos os dias.

Mas como a empresa se tornou essa gigante onipresente? Senta que lá vem história: é hora de conhecer um pouquinho mais sobre o seu serviço de streaming preferido, e como ele era bem diferente no início dos tempos.

A criação da Netflix

A história começou no último milênio, mais especificamente em 1997, com dois nomes: Reed Hastings e Marc Randolph, uma dupla de amigos que um belo dia teve a ideia de alugar DVDs pelo correio por meio de um site. Na ocasião, eles realizaram testes desse conceito, enviando entre si um DVD. Ao notarem que o produto havia chego em perfeitas condições para o destinatário, surgiu o Projeto Netflix.

Serviço Netflix como entrega de DVDs (Imagem: Reprodução / WikiCommons)
Serviço Netflix como entrega de DVDs (Imagem: Reprodução / WikiCommons)

Não demorou muito para a internet conhecer o Netflix.com, o primeiro site que tinha como fim o aluguel e a venda de filmes em DVDs. Ao todo, eram 925 títulos disponíveis para aluguel por meio de um modelo tradicional de pagamento que funcionava da seguinte maneira: o consumidor pagava uma taxa única de US$ 5 por aluguel; o produto era postado nos Estados Unidos e o consumidor não precisava se preocupar com a data de devolução, multa por atraso ou limite de títulos alugados por mês.

Uma curiosidade, inclusive, é que Hastings é frequentemente citado dizendo que decidiu iniciar a Netflix depois de ser multado em US$ 40 em uma loja Blockbuster nos Estados Unidos por atrasar a devolução de uma cópia do filme Apollo 13.

Esse modelo de pagamento, no entanto, não durou tanto assim: em setembro de 1999, Hastings e Randolph tiveram a ideia de estabelecer um consumo por assinatura mensal na plataforma. O modelo por locação foi abandonado logo no início do novo milênio. No mesmo ano, o serviço introduziu um sistema de recomendações personalizadas que previa as escolhas futuras dos assinantes a partir da avaliação que deram a títulos já alugados.

No entanto, o mundo dos negócios é repleto de altos e baixos e a Netflix sofreu com isso logo depois que lançou seu modelo de assinaturas mensais. Na época, a dupla fundadora ofereceu vender a plataforma para a Blockbuster por US$ 50 milhões. A oferta foi recusada e o CEO da cadeia de locadoras, John Antioco, chegou a achar que a proposta era uma piada, dizendo que "A histeria das pontocom é completamente exagerada", referindo-se ao modelo de comércio e aluguel online que crescia com a presença da internet.

Netflix.com em 1998 (Imagem: Reprodução / Netflix)
Netflix.com em 1998 (Imagem: Reprodução / Netflix)

Pouca gente sabe, mas, apesar de ter sido recusada pela Blockbuster, a Netflix também recusou ofertas, mais especificamente da gigante Amazon de Jeff Bezos. Segundo uma reportagem da NBC, a empresa também era relativamente jovem. Bezos, sob pressão de investidores, estava ansioso para fazer aquisições agressivas para expandir a presença da companhia no mercado.

Hastings e Randolph voaram para Seattle para o escritório da Amazon, e, depois de uma longa reunião, a equipe de Jeff Bezos ofereceu à Netflix "algo em torno de oito dígitos" para adquirir a empresa. O que viria a se tornar o streaming mais popular do mundo tinha meses de idade na época, e apesar de ser uma proposta um tanto irresistível, a dupla conversou muito sobre na volta da viagem para casa. Não demorou para eles recusarem a proposta.

Os anos 2000 para a Netflix

Em 2002, a Netflix faz sua oferta pública de ações (IPO) com valor de venda de US$ 1 por ação na NASDAQ, com o código NFLX. A empresa cresceu absurdamente com a alta da venda dos aparelhos de DVD em ambientes domésticos, mas, ainda assim, Randolph deixou o cargo de CEO em 1999 e deixou a empresa em 2003 para orientar outras startups.

Ainda naquele ano, a companhia ultrapassou um milhão de assinantes e registrou seu primeiro lucro: US$ 6,5 milhões. Esses números só foram aumentando, e já em 2004 a Netflix arrecadou impressionantes US$ 500 milhões e lucrou US$ 49 milhões com seu modelo de negócio.

Serviço de compra e aluguel de filmes (Imagem: Reprodução / Netflix)
Serviço de compra e aluguel de filmes (Imagem: Reprodução / Netflix)

Em 2005, 35 mil filmes diferentes estavam disponíveis na plataforma de aluguel e mais de 1 milhão de DVDs eram vendidos diariamente. Naquele ano, a Blockbuster (lembra dela?) resolveu entrar para esse ramo e lançou um serviço de aluguel de DVD online. Ele chegou a ter 2 milhões de usuários em 2006, o que fez a Netflix estremecer um pouco em sua cartela de clientes, mas reagiu diminuindo o valor das taxas para os assinantes no ano seguinte.

Ainda naquela época, a Netflix lançou o recurso Perfis, o que permitia aos assinantes criarem listas para diferentes usuários e/ou necessidades, além de alcançar a marca de 5 milhões de assinantes.

O início da era do streaming

Em 2007, a Netflix introduziu o modelo de negócio que conhecemos hoje: na plataforma, os assinantes pagam uma mensalidade e têm acesso a milhares de títulos 24 horas por dia para assistir quando, onde e como quiserem. Embora naquela época ainda não houvesse no mercado tantos dispositivos móveis que rodassem o serviço e o consumo se desse principalmente em desktops e notebooks, em 2008 a companhia firmou uma parceria importantíssima para ampliar seu alcance: ela assinou com marcas de eletrônicos para permitir streaming no Xbox 360, aparelhos de Blu-ray e decodificadores de televisão.

Chega a Netflix para aparelhos móveis (Imagem: Reprodução / Napoleon Schwan para o Pixabay)
Chega a Netflix para aparelhos móveis (Imagem: Reprodução / Napoleon Schwan para o Pixabay)

Até 2011, foram diversas parcerias e acordos firmados com estúdios de Hollywood para transmitir séries e filmes de sucesso em seu catálogo. A Netflix chegou ao Brasil no mesmo ano, quando anunciou contratos de licença com a Paramount Pictures, Sony Pictures Television, NBCUniversal International Television, TV Bandeirantes, ABC Television, CBS Television, Dorimedia, MGM, Lionsgate, Summit, Miramax, Relativity, BBC Worldwide, Televisa, Telemundo, TV Azteca, Caracol, Telefe e Disney.

Com a alta da demanda em televisores, a empresa introduziu um botão direto para o streaming em controles remotos de várias marcas de televisores, permitindo aos usuários acessarem instantaneamente a Netflix em dispositivos compatíveis em janeiro de 2011. Inclusive, este também foi o ano que a plataforma começou a se popularizar em dispositivos móveis e também lançou uma área dedicada apenas a títulos infantis.

O selo de produção original Netflix

Em março de 2011, a Netflix começou a adquirir conteúdo original para sua biblioteca do streaming. O primeiro título foi House of Cards, estrelado por Kevin Spacey e produzido por David Fincher. O programa chegou ao catálogo em fevereiro de 2013 e deu início a uma série de conteúdos exclusivos e originais da plataforma.

Nesse meio tempo, a empresa estabeleceu parcerias para expandir o catálogo para as mais diferentes produções: em maio de 2011, ela firmou um acordo com a Viz Media para entregar mais animes para os assinantes. O serviço de aluguel de DVDs ainda existia e chegou a passar por diversas mudanças com a alta do streaming, oferecendo acesso para os clientes do aluguel sem taxas extras e até mesmo separando as assinaturas em julho de 2011.

A maratona que amamos: os títulos originais Netflix (Imagem: Charles Deluvio / Unsplash)
A maratona que amamos: os títulos originais Netflix (Imagem: Charles Deluvio / Unsplash)

A partir de House of Cards, séries históricas como Orange is the new Black e Hemlock Grove surgiram e deram abertura para vários títulos originais que passaram a ser reconhecidos pela crítica especializada e por premiações do setor. Em 2013, uma parceria foi realizada com o Marvel Studios para a produção de títulos como Jessica Jones, Luke Cage, Demolidor entre muitos outros shows com o selo original do streaming.

Em 2014, ao mesmo tempo que o streaming se expandia para cada vez mais territórios a passava a introduzir mais conteúdos originais estrangeiros, ele também começou a oferecer conteúdo em qualidade 4K Ultra HD para os assinantes.

A Netflix hoje

Atualmente, o serviço de streaming mais popular do mundo tem diversas funcionalidades como o Top 10 diário e até mesmo um recurso aleatório para os usuários que estão em dúvida do que assistir. Conteúdos podem ser baixados em dispositivos para serem reproduzidos quando o assinante não está com acesso à internet, fora todas as experiências da Netflix oferecidas fora do meio digital para os assinantes: eventos para fãs, almanaques interativos, lojas oficiais e muito mais.

E você, o que achou da história da Netflix?

Com informações: Business Insider, NBC, About Netflix

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos