Como o Corinthians vai se montar sem Pedrinho; veja todos os cenários possíveis

O Corinthians já fala em tom de adeus em relação ao meia Pedrinho. Depois de gravar um vídeo no qual um dirigente agradecia ao jogador pelos serviços prestados e dar uma entrevista ao jornal Record sobre sua chegada ao Benfica, o que resta do garoto no Timão parece ser apenas uma dúvida: como o clube vai ficar sem o camisa 10?

A Goal explica como o Timão pode seguir daqui para frente sem aquele que foi responsável por quase um terço dos gols da equipe no segundo semestre do ano passado, seja passando, balançando a rede ou sofrendo infrações (faltas e pênaltis).

A primeira opção, que foi a mais utilizada em 2020, enquanto Pedrinho esteve ausente, seria a utilização de Janderson pelo lado direito, aproveitando que o jovem, apesar de destro e com características diferentes, acostumou-se a atuar por ali durante as categorias de base.

Com três assistências e um gol marcado até aqui, ele concorre diretamente com Ramiro entre os favoritos para herdar a posição. No caso do meio-campista, aliás, é difícil até usar esse verbo: ele era titular e jogava bem, com dois gols e outras duas participações em gol até lesionar o joelho contra a Ponte Preta.

Mais defensivo e experiente do que o jovem da base, Ramiro é elogiado internamente pelo entendimento que tem na formatação de um time que preza pelo lado ofensivo. Seus tempos de Grêmio e o entrosamento com Luan também são citados como partes fundamentais do seu jogo.

As outras opções para Tiago Nunes têm para si uma característica especial cada, mas terão de buscar o espaço em treinamentos e oportunidades pontuais quando os dois favoritos não estiverem disponíveis. O primeiro desse segundo patamar é Yony González.

Contratado como opção de força pelo lado, tem na capacidade física o trunfo para ser utilizado ali. Tiago Nunes até optou por ele em detrimento de outros nomes assim que pôde contar com o reforço, mostrando que confia no atleta.

Os restantes - Vágner Love, dupla de ataque de Boselli em alguns jogos no ano, deve ficar mesmo como opção de centroavante. Mateus Vital, Angelo Araos e Everaldo atuam mais pelo lado esquerdo, deixando a disputa mais quente na outra ponta do ataque.