‘Como ser feliz com alguém com ideais diferentes dos seus?’, diz autora de livro sobre divórcio

Madson Gama
·5 minuto de leitura
Divulgação / Divulgação

90457999_BA - A terapeuta e coach de relacionamentos Nina Rodrigues autora do livro Meu querido.jpg

Divulgação / Divulgação

RIO — Durante anos, Nina Reis se sentiu presa a um relacionamento em que a harmonia parecia depender de que abrisse mão de seus próprios objetivos e sonhos. Até que tomou coragem e optou pelo divórcio, decidida a arcar com todas as consequências desta decisão — e não foram poucas. Hoje terapeuta e coach de relacionamento, a moradora da Barra, de 38 anos, acaba de lançar o livro “Meu querido divórcio — O divórcio não é o fim, mas sim uma oportunidade para recomeçar”, disponível na Amazon. Ela parte da própria experiência para dar dicas a outras mulheres sobre como ter certeza de que a separação é o melhor caminho e o que fazer para tornar o processo menos doloroso.

No livro, você parte de sua experiência para falar sobre divórcio. Como foi o processo?

Meu livro é a história da minha separação. Conta tudo sobre o meu processo e como fiz para dar a volta por cima. Tive um relacionamento que durou 20 anos, desde os meus 14. Durante este tempo, cheguei a cursar Direito e, quando me formei, queria fazer concurso. Mas, como ele era cinco anos mais velho que eu, ligado ao mundo dos negócios e queria morar fora, eu me dediquei à família. No desenrolar da vida, senti necessidade de me separar, porque me via prisioneira do relacionamento, abrindo mão dos meus desejos e do que acreditava. Quando me divorciei, meus filhos estavam com 5 e 7 anos. Foi um processo muito difícil. Tive que me virar, precisei me reinventar profissionalmente. Comecei a fazer cursos na área de coaching, psicologia positiva e terapia transcendental e passei a trabalhar nessa área de desenvolvimento humano.

E o que a levou a escrever sobre este tema?

Comecei a perceber que existem muitas mulheres na situação que eu enfrentei, presas a um relacionamento infeliz ou até abusivo, achando que não têm capacidade de se reinventar e de serem amadas de novo. Então, pensei que o livro, que conta uma história de superação, seria uma ferramenta para ajudá-las a perceber que existe, sim, uma vida pós-divórcio. Nele, eu conto como consegui me refazer profissional e financeiramente e tive inteligência emocional para lidar com alguém que era amigo e virou meu inimigo. Assim, acho que posso servir de inspiração para outras mulheres.

Quais são os principais motivos para chegar a uma separação?

Os divórcios têm aumentado absurdamente. Dados do IBGE apontam que, entre 1984 e 2016, o número cresceu 269%. O que eu percebo é que, hoje, muitas pessoas se casam sem se conhecerem profundamente. E, então, quando começam a compartilhar o dia a dia, se dão conta de que, na verdade, aquela pessoa ao lado dela nada tem a ver com os seus valores. Como você vai ser feliz com alguém com ideais completamente diferentes dos seus? Outra razão é que as mulheres, atualmente, são mais independentes. Se antes suportavam um relacionamento ruim por conta da dependência financeira, por exemplo, hoje em dia o nível de tolerância está baixo. Outro motivo que leva a separações é o fato de que a vida muda, você passa a ter outras prioridades, outras demandas, outros sonhos.

A pandemia agravou essa situação?

Com certeza. Na pandemia, as pessoas passaram a ter que conviver, e é assim que você sabe quem são as pessoas. A partir do momento em que você teve que se conectar mais com o outro, você percebe que essa conexão nunca existiu. E isso aumenta as brigas, os conflitos, porque tudo naquela pessoa passa a te irritar. Muitas pessoas viviam no piloto automático. Tinham uma vida tão individual que, quando o confinamento as forçou a se voltar para o outro, houve esse choque. Eu recebo muitas seguidoras novas constatando exatamente isso. No mínimo, houve um crescimento da consciência de que querem se separar.

E quais são as dicas para quem quer iniciar o processo de separação?

Olhe para dentro do relacionamento e analise se ainda existe admiração, respeito e tesão. Se faltar tudo isso, é um sinal para iniciar o divórcio, porque é muito difícil recuperar. Se faltar um quesito ou outro, tente trabalhá-lo. Entenda se fez tudo o que podia pelo relacionamento. Entenda os próprios valores, o que é essencial na sua vida, e veja se o parceiro pode corresponder a eles. Tenha uma comunicação transparente e verdadeira com o parceiro sobre o que sente e deseja. Não o idealize, não espere que ele aja como você agiria. É o momento de focar em como você vai agir. Torne-se independente emocional e financeiramente.

E quem já está no processo de divórcio?

Não envolva seus filhos no processo. Eles não enxergam vocês como vocês se enxergam. Existe ex-marido e ex-mulher, mas não existem ex-pais. Tenha paciência; pode ser que seu parceiro fique com raiva ou não aceite a situação. Perdoe qualquer coisa ruim que seu ex tenha feito com você, afinal de contas não dá para iniciar uma nova vida carregando sentimentos negativos do passado. Não fale da sua vida para ninguém, sobre o que vocês viveram ou estão vivendo nesse momento. Gente de fora não tem noção do que se vive dentro e assim não pode opinar da melhor forma.

Que mensagem você deixa para quem está enfrentando essa situação difícil?

A melhor mensagem que eu tenho e que está, inclusive, na capa do meu livro, é que o divórcio não é o fim, mas sim uma oportunidade de recomeço.