Como ser mais vulnerável em seu relacionamento (mesmo que isso o assuste)

Kelsey Borresen
Se você tem dificuldade em se abrir em seus relacionamentos românticos, saiba que não é o único.

A vulnerabilidade é vista como um ingrediente importante para os relacionamentos sadios, que nos deixam realizados. Mas muitos de nós temos dificuldade em nos abrir e ser vulneráveis de fato na vida real.

Contrariamente ao que muitas pessoas foram ensinadas a pensar, ser vulnerável é sinal de força e coragem, não de fraqueza.

A pesquisadora Brené Brown, conhecida autora de trabalhos sobre vulnerabilidade, define a vulnerabilidade como “o risco, a exposição e incerteza emocional” que “alimenta nossa vida diária”.

Num relacionamento romântico, isso pode significar ser o primeiro a dizer “eu te amo”, o primeiro a admitir os erros que você cometeu, o primeiro a sugerir que vocês façam uma terapia de casal ou ter a coragem de dizer a seu parceiro diretamente o que você precisa dele.

“Ser vulnerável envolve nos expormos pessoalmente de uma maneira que corre o risco de suscitar vergonha, constrangimento, autocrítica ou outras emoções incômodas”, disse ao HuffPost o psicólgo Lee Land.

Por mais que isso possa parecer arriscado, a vulnerabilidade traz muitas recompensas. “Com a abertura e a vulnerabilidade, as pessoas podem se aproximar mais e desenvolver uma intimidade real”, ele explicou.

Pedimos a especialistas em relacionamentos para explicar por que a vulnerabilidade pode parecer assustadora e como podemos incorporar mais vulnerabilidade em nossas vidas.

Por que temos dificuldade em nos mostrar vulneráveis 

Em nossos relacionamentos românticos, hesitamos em mostrar abertamente ao nosso parceiro nossas inseguranças, necessidades, nossos erros, medos e defeitos de caráter, temendo que o parceiro mude de ideia a nosso respeito. Achamos que seremos ridicularizados ou rejeitados. Nosso parceiro nos julgará, nos interpretará mal ou nos abandonará. E todas essas possibilidades são apavorantes.

“Ser vulnerável implica compartilhar nossos sentimentos e pensamentos mais íntimos com outros, de maneiras que podem conduzir à...

Continue a ler no HuffPost