Como seria viajar do Brasil aos EUA de carro? Conheça as histórias de pessoas que se aventuraram

Pixabay

Existem muitas viagens que mexem com o imaginário das pessoas. Uma em especial é a travessia entre América do Sul e América do Norte de carro. Sim, é possível e o caminho já foi trilhado por alguns aventureiros.

A jornada pode ser feita inteiramente de carro, exceto por um trecho de densa selva entre as fronteiras da Colômbia e do Panamá, o chamado estreito de Darien, que separa a América do Sul da América Central. Mas nada que impeça a aventura. O carro pode ser despachado de barco enquanto os motoristas vão de avião. Ainda dá tempo de curtir uma praia durante a espera pelo automóvel.

O casal de comerciantes Joselle Pinheiro, 42 anos, e Amandio Palhares, 48, não só fez a travessia como foi além e atravessou os EUA até o Alasca, estado norte-americano que faz fronteira com o Canadá. A viagem de ida e volta iniciada em Goiânia rendeu 65.000Km entre 16 países durante nove meses numa caminhonete 4X4 equipada com um camper de 6 metros quadrados.

Palhares conta que a inspiração surgiu quando conheceu um rapaz que estava dando a volta ao mundo de moto. Desde então foram alguns anos para convencer a esposa e preparar todos os detalhes para cair na estrada rumo ao Alasca. Fizeram duas viagens mais curtas, uma para a Patagônia e outra para Machu Pichu antes da grande expedição. Em Goiânia ficaram os dois filhos, então com 15 e 21 anos, além do negócio que o casal mantém.

Segurança em Primeiro lugar

A regra era sempre parar às 16h e procurar o local mais seguro para passar a noite, fosse em um camping pago ou mesmo em estacionamentos de supermercados ou delegacias. “Em Nicaragua, Honduras e Guatemala todos andam armados. Cria uma tensão, mas não tivemos problemas por sempre priorizar a segurança durante toda a viagem”, pondera.

O comerciante conta que o mais difícil foi lidar com a solidão de alguns trechos inóspitos, além da saudade. “Para seguir viagem tivemos que ignorar a distância que ainda precisava ser percorrida e pensar um dia de cada vez”, segreda.

Embora falem com entusiasmo das paisagens inesquecíveis entre praias paradisíacas e a aurora boreal, confidenciam que o que mais impressionou foram as pessoas. Contam que durante o trajeto ficaram na casa de 16 famílias de diversas nacionalidades. “É diferente da receptividade do brasileiro, que costumam fazer convites por educação. Éramos mesmo inseridos na rotina da casa”, lembram. E finalizam com a lição que ficou da jornada: “Quanto menos temos, mais temos”.

Hoje os comerciantes estão na Tailândia e seguem em nova aventura de carro até a China. Todos os detalhes estão na página do Facebook e no site do casal. O livro da jornada está a caminho, mas ainda sem data de lançamento.

Refazendo caminhos

Entre outros aventureiros estão as três amigas que hoje refazem de kombi o trajeto de Porto Alegre para Califórnia que o pai de uma delas fez com outros três amigos em 1976. Dessa vez a proposta é seguir viagem realizando projetos sociais e culturais pelo caminho ensinando surf, arte e educação ambiental. “Cada plástico que vemos no mar é um incentivo para continuarmos com as nossas ações”, afirmam.

Antonia Wallig, 31 anos, Christie Meditsch, 31, e Clarrisa Del Fabbro, 33, junto com a pequena Gabriela, de 3 anos, já terminaram a primeira parte da viagem e se preparam para a segunda que será feita até a Colômbia, onde vão enviar a kombi por container para o Panamá. “Fazemos tudo em ritmo Lela (Gabriela). Com ela vamos curtindo cada momento. Brincamos mais, como que nos igualamos a ela. Quando ela está com fome, todos estão, quando está com sono igualmente. É o termômetro da trip”, brincam.

Elas contam que o projeto social tem mais de 4 anos, mas que para organizar a kombi e a logística de rotas foram 4 meses de planejamento. Hoje já contam com patrocínios, além de apoiadores que podem colaborar pela página do projeto no catarse.

Recalculando a rota

Já o casal de youtubers Guilherme Toledo e Janaina Isabel fizeram um pouco diferente. A ideia inicial era ir até o Alasca em um motorhome, mas depois de problemas mecânicos no automóvel, decidiram do Chile reconfigurar a viagem e voltar ao Brasil. Noo entanto os planos mudaram sem que os sonhos fossem interrompidos. Chegaram aos EUA de avião e seguem viagem em um novo motorhome que está sendo reformado por eles.

O casal conta que na estrada não existe regras gerais, mas que a experiência tem se revelado muito melhor que o esperado. “Saímos para descobrir o mundo e acabamos ganhando algo muito mais valioso: um ao outro”, completam. Os detalhes das viagens dos youtubers podem ser conferidos nos vídeos bem-humorados postados nos canais Gui Toledo e Jana Makeup.

Algumas dicas para quem planeja cair na estrada

– Esteja com o passaporte em dia, assim como a carteira de vacinação. Colômbia e Costa Rica pedem o Certificado Internacional de Vacinação.

– O visto americano leva alguns meses, por isso precisa ser providenciado com antecedência. Os outros países não pedem visto.

– Esteja com a carteira de habilitação em dia e adquira a Permissão Internacional para Dirigir (PID).

– Para rodar pela Venezuela é preciso ter um seguro chamado Carta Verde. Informe-se com sua seguradora.

– Para evitar dores de cabeça, prefira um carro que esteja quitado e em seu nome.

– Cada motorista tem um ritmo, mas a regra geral é não ultrapassar 12 horas no volante por dia, nem dirigir à noite.

Por Gislene Trindade