Como um possível calote de R$ 1,5 tri pode abalar o mundo

·1 min de leitura
Agência de risco Fitch Ratings aponta para probabilidade de default. Foto: Getty Images.
Agência de risco Fitch Ratings aponta para probabilidade de default. Foto: Getty Images.
  • A Evergrande acumula uma dívida de US$ 300 bilhões

  • Incorporadora é um dos maiores grupos imobiliários da China

  • Agência de risco Fitch Ratings aponta para probabilidade de default

A empresa chinesa Evergrande tem feito investidores de todo o mundo arrancarem seus cabelos. Isto porque ela é a incorporadora com a maior dívida do mundo: US$ 300 bilhões — cerca de R$ 1,5 trilhão. Com parceiros como Allianz, Ashmore e BlackRock, a companhia divulgou na última semana que talvez não consiga liquidar suas pendências financeiras. E até mesmo o mercado brasileiro tem sido afetado por este cenário de instabilidade.

Ontem (17), o Ibovespa chegou a operar abaixo de 112 mil pontos. Além do índice da bolsa brasileira, as ações da Vale registraram queda de cerca de 3% ao longo do dia. A mineradora é uma das fornecedoras de minério de ferro da Evergrande. Um dos motivadores foi a incerteza que ronda as dívidas da gigante do setor imobiliário chinês.

Leia também:

Na última quinta-feira (16), o preço das ações da empresa teve uma queda de 6,4%. Ao longo de 2021, a desvalorização chega próximo de 80%. No começo deste mês, a agência de classificação Fitch Ratings reduziu a nota da EVergrande de “CCC+” para “CC”. Segundo a avaliadora de risco, um calote parece provável.

Ainda que a Evergrande só tenha que realizar o pagamento de bônus de seus investidores no ano que vem, os sinais negativos da fragilidade da empresa já começaram a aparecer. Ao longo da última semana, foi suspensa a negociação de títulos de sua principal unidade.

As informações são do portal O Especialista.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos