Alemanha descarta adesão a possíveis ataques dos EUA contra regime sírio

Berlim, 8 abr (EFE).- A ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, descartou totalmente neste sábado que a força aérea de seu país se junte a possíveis ataques futuros dos Estados Unidos contra o regime sírio.

Em entrevista à rede de televisão "SWR", a política democrata-cristã garantiu que os caças que a Alemanha colocou à disposição da coalizão contra o grupo jihadista Estado Islâmico (EI) têm a clara missão de reconhecimento e que vão se ater a este mandato.

"Isto não tem nada a ver com a questão das armas químicas e com o presidente (sírio) Bashar al Assad", acrescentou a ministra da Defesa.

Segundo Von der Leyen, Washington, que comunicou a Berlim o ataque a uma base síria minutos antes que este ocorresse, não solicitou à Alemanha qualquer colaboração ou apoio.

Ontem, em entrevista à emissora pública nacional "ARD", a ministra indicou que "o mandato do Bundestag (Câmara Baixa do parlamento) é muito claro", concentrar-se na "luta contra o EI".

Os Estados Unidos atacaram com 59 mísseis Tomahawk uma base da força aérea síria na madrugada de sexta-feira, uma operação que deixou vários mortos e importantes danos materiais, em resposta à ação com armas químicas supostamente efetuada pelo exército de Assad na terça-feira em Khan Sheikhoun e que deixou mais de 70 mortos. EFE