Complexo do Alemão tem intenso tiroteio e explosões de granadas; cinegrafista denuncia truculência

Ana Carolina Torres
·2 minuto de leitura
Reprodução / Voz das Comunidades / Facebook

RIO — Um intenso tiroteio acontece no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio, nesta quarta-feira. Os confrontos ocorrem em diversas localidades da comunidade, onde ocorrem também explosões de granadas. Entre 8h16 e 12h50, o aplicativo "Onde Tem Tiroteio - RJ" deu 15 alertas para a situação violenta da região.

O perfil no Facebook do "Voz das Comunidades" publicou uma denúncia de truculência contra PMs. De acordo com o relato, o cinegrafista Renato Moura foi revistado e teve seu celular quebrado. "O nosso cinegrafista Renato Moura acompanhava a incursão policial, até que os policiais o revistaram e quebraram o seu celular. Eles falaram que "o Voz só fala mal da polícia para ganhar fama". Os policiais também foram para cima da repórter Amanda Botelho e perguntaram se ela também estava filmando, porque tava com celular na mão. Estamos a caminho da delegacia", diz a postagem do "Voz".

O fundador do jornal comunitário, Renê Silva, contou que a equipe procurou a Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP). De acordo com ele, depois de quebrado, o celular foi levado pelos agentes. A ocorrência ficou a cargo da 22ª DP (Penha).

Renê disse ainda que esta foi a segunda vez que uma equipe do "Voz" teve um problema semelhante com PMs.

— Quando a polícia chegou em cima do Renato, quando eles tentavam remover mototaxistas da Fazendinha (localidade do Alemão), foi o momento em que um dos policiais pegou o celula, jogou no chão, começou a pisar no celular e destruiu ele todo — disse ele.

O que diz a PM

Em seu perfil no Twitter, a PM informou que policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) foram atacados a tiros durante um patrulhamendo na localidade conhecida como Área 5. Houve confronto. Houve a apreensão de um fuzil. De acordo com a corporação, equipes do Grupamento Tático de Polícia Pacificadora (GTPP) continuam "operando no terreno".

Sobre a denúncia de truculância, a corporação informou que houve uma discussão com um "coletivo local envolvendo possível exposição da imagem dos policiais" e que "Isto representou uma ameaça para os agentes, que retiveram o celular que fazia a filmagem":

"Em relação aos relatos de moradores e denúncias em redes sociais, os policiais militares relataram que durante a saída da localidade houve discussão com integrantes de um coletivo local, envolvendo possível exposição da imagem dos policiais que fizeram a ocorrência acima mencionada. Isto representou uma ameaça para os agentes, que retiveram o celular que fazia a filmagem. A ocorrência está em andamento na 44ª DP. A Coordenadoria de Polícia Pacificadora também irá apurar o caso em conjunto com a Corregedoria.A Secretaria de Estado de Polícia Militar reitera seu compromisso com a apuração dos fatos e sua consideração para com os profissionais da área de comunicação".