Comportamento pet: 'Todo cachorro é adestrável; o mesmo não posso dizer das famílias', diz especialista

Ato de ensinar, disciplinar. Assim pode-se definir o significado da palavra adestramento, uma das principais atividades da Tal Passeadores, com sede em Vila Isabel, também conhecida por ter profissionais que levam cães para caminhar nas ruas da Grande Tijuca. Fundada pelo adestrador Leonardo Villa Verde, em 2019, a empresa tem como objetivo auxiliar o convívio entre os animais, seus tutores e a sociedade em geral.

Artesanato: Projeto transforma redes de pesca em bolsas

Projeto social: Curso de beleza gratuito na Maré para mulheres e pessoas LGBTQIAP+

— Adestramento é educação. No Brasil, com seus 50 milhões de cães, estes animais costumam ser o primeiro “filho” dos casais jovens e estão inseridos na rotina de grande parte da população. Adestrar é também entender que o cão é um animal que se tem em casa, amado, mas que não é uma pessoa; ou seja, tem demandas diferentes de um ser humano. Um cachorro educado tem condições de acompanhar seu tutor em um passeio sem que fique tentando alcançar desconhecidos para cheirar ou lamber, que pode ser levado para um bar ou a uma praia e não vai incomodar. O dono de cachorro precisa ter em mente que ninguém é obrigado a tolerar um cachorro lambendo, cheirando, sem que essa pessoa tenha se aproximado dele. Isso é uma questão de educação. O seu cachorro é uma responsabilidade 100% sua. Adestrar é sinônimo de bem-estar para todos — diz o morador de Vila Isabel.

O processo de adestramento não tem um prazo determinado para ser concluído com sucesso porque cada caso é um caso. Para se alcançar êxito pleno, o trabalho deve ser feito em conjunto com a família tutora do cão.

— Eu afirmo com convicção que todo cachorro é adestrável, mas o mesmo não posso dizer em relação às famílias. Se não houver uma mudança de comportamento de todos os envolvidos, o adestramento não será realizado de uma forma satisfatória. Um exemplo é que o cão age de acordo com o estímulo recebido, por isso fica mais calmo diante de uma pessoa do seu convívio e mais agitado, desobediente, diante de outra. A culpa disso não é do cachorro, mas do comportamento muitas vezes equivocado do tutor. É só reparar que os animais que vivem ao lado de pessoas em situação de rua não costumam pular, lamber, ir para a cima de quem passa por perto. Eles apenas estão ali, na rua, buscando sua sobrevivência. Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o cão não deve ser agarrado, beijado, tocado o tempo todo. Agindo desta forma, o ser humano invade o espaço, a privacidade do animal —observa o adestrador.

As noções de boa convivência são transmitidas nas sessões de adestramento.

— O cachorro está adestrado quando consegue ficar bem sozinho, sem destruir nada dentro de casa, socializa com outros cães, não morde ninguém, interage bem com os donos e consegue sair à rua sem ser um gerador de conflitos com outras pessoas. Este processo pode demorar meses — ressalta Villa Verde.

O serviço de passeios da empresa também auxilia, de certa forma, na disciplina dos cachorros.

— Atualmente, 200 cães são levados por nossos passeadores, que são profissionais, não meros seguradores de coleiras. Todos sabem como auxiliar na mudança de comportamento dos cães nas ruas— frisa o adestrador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos