'Comprar e contratar nos EUA': Trump tenta concretizar sua promessa

Por Jerome CARTILLIER
O presidente americano, Donald Trump, em Maryland, em 13 de abril de 2017

"Compre (produtos) americanos, contrate americanos": Donald Trump tentou nesta terça-feira dar forma a seu slogan assinando um decreto para reformar o sistema de vistos a trabalhadores qualificados, mas sua margem de manobra é limitado.

"Juntos faremos todo o possível para nos assegurar de que mais produtos sejam estampados com essas palavras maravilhosas: Made in the USA", disse Kenosha, Wisconsin.

Assim como a maioria dos decretos assinados agora pelo presidente republicano, trata-se mais mais de um pedido a propostas dos diferentes ministérios do que de uma mudança concreta na vida econômica do país.

Com esse texto, que será assinado em Kenosha (Wisconsin, norte), Trump busca estimular a modificação dos célebres vistos H-1B, muito apreciados pelas empresas especializadas nas novas tecnologias, com o argumento de lutar contra a "fraude e os abusos".

Essas permissões de trabalho de duração limitada destinados a cientistas, engenheiros e analistas de informática, são em particular o caminho de entrada para muitos programadores indianos atraídos pelo Vale do Silício, entre outros. Os Estados Unidos entregam aproximadamente 85.000 vistos desse tipo por ano.

O decreto ordena os departamentos pertinentes (Trabalho, Justiça, Segurança interior, Estado) a lutar contra a fraude e a propor reformas para que o programa H-1B "recupere seu objetivo inicial: dar vistos aos postulantes mais qualificados para os postos melhor remunerados".

"Durante um longo tempo, o programa H-1B foi aplicado de forma nefasta para os trabalhadores americanos", segundo a Casa Branca, que argumenta que o programa resultou na chegada de uma onda de trabalhadores relativamente pouco qualificados e mal remunerados no setor tecnológico.

"Achamos que os empregos devem ser oferecidos primeiro aos trabalhadores americanos", reiterou o mandatário.

Trump não pode com apenas uma canetada modificar o número de vistos outorgados e precisa de uma ampla reforma por parte do Congresso, mas a Casa Branca espera com isso dar impulso a uma eventual reforma legislativa cujas características continuam sendo pouco claras.

Imigração "por mérito"

Em seu primeiro discurso ao Congresso, em 1º de março, Trump defendeu o abandono "do sistema atual de imigração pouco qualificada". Usando como exemplo Canadá e Austrália, insistiu que o país deve se orientar para um sistema "baseado no mérito".

O decreto que será assinado pelo presidente também inclui um pedido de "Compra americana", que pede uma aplicação mais rígida da legislação existente incitando a utilização de produtos fabricados no país nos contratos públicos.

Sem fazer anúncios específicos, Trump apontou novamente contra o Nafta, que segundo ele foi "um completo desastre para os Estados Unidos". "Faremos grandes mudanças, ou nos livraremos do Nafta para sempre", ameaçou.

Mas a Câmara de Comércio americana imediatamente expressou suas reservas: embora tenha considerado que o programa H-1B pode ser melhorado, alertou contra a tentação de fechá-lo.

"Seria um erro fechar a porta aos trabalhadores qualificados do mundo inteiro que podem contribuir para o crescimento das empresas americanas e tornar os Estados Unidos mais competitivo", ressaltou.

Adiamento da reforma fiscal

Ao se aproximar dos primeiros 100 dias de mandato, essa visita a Wisconsin ganha um simbolismo político especial.

Trump derrotou por pouco sua rival democrata Hillary Clinton neste Estado, uma façanha, pois nenhum candidato republicano à Casa Branca ganhava ali desde 1984.

Entretanto, a eleição de 8 de novembro já parece distante e a cota de popularidade do mandatário se mantém muito abaixo de seus antecessores no mesmo período.

Sua firmeza em relação à Síria e à Coreia do Norte foi recebida positivamente no cenário internacional, mas Trump sabe que o balanço de sua gestão de interna é fraco, depois do revés com a justiça sobre a imigração e da tentativa frustrada de tentar passar no Congresso a reforma do sistema de saúde.

Sua ampla reforma fiscal, promessa central de sua campanha, que deveria incluir principalmente uma redução de impostos sobre os lucros das empresas, demora a se tornar concreta, e o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, admitiu na terça-feira em declaração ao Financial Times que provavelmente a demora deve continuar.

O objetivo inicial de aprovação pelo Congresso do projeto sobre o tema antes de agosto "é muito otimista, e até irreal atualmente", reconheceu.