Comunidade Econômica da África Ocidental suspende Guiné após golpe de Estado

·2 minuto de leitura
Forças especiais aclamadas pelo público perto do Palácio do Povo em Conacri, no dia 5 de setembro de 2021 (AFP/CELLOU BINANI)

Os líderes dos países da Comunidade Econômica da África Ocidental (Cedeao) decidiram nesta quarta-feira (8) suspender a Guiné nos órgãos decisórios da organização e enviar uma missão na quinta a este país após um golpe militar no domingo, informou um ministro que participa de sua cúpula virtual.

A Cedeao "decidiu suspender a Guiné de todas as suas instâncias e pede que estas decisões sejam endossadas pela União Africana e pelas Nações Unidas", disse a jornalistas em Uagadugu o ministro das Relações Exteriores de Burkina Faso, Alpha Barry, após sua participação na cúpula por videoconferência.

Barry não mencionou sanções econômicas.

Uma "missão de alto nível" será enviada na quinta-feira à Guiné "para discutir com as novas autoridades" e após esta visita a Cedeao voltará a examinar sua posição, acrescentou.

A cúpula foi organizada para "debater a resposta a dar a esta clara violação do nosso estatuto da boa governança", disse no início da reunião o presidente Nano Akufo-Addo, durante uma rápida intervenção em nome da presidência ganense rotativa da organização.

Depois desta primeira intervenção, a reunião prosseguiu em caráter confidencial.

Após o golpe militar de domingo, que depôs o histórico presidente Alpha Condé, junto aos demais dirigentes da Cedeao, esta organização condenou as ações e exigiu a libertação de Condé e "um retorno à ordem constitucional". Também ameaçou sancionar a Guiné se essas condições não forem cumpridas.

Liderados pelo comandante Mamady Dumbuya, os conspiradores do golpe guineense capturaram o presidente Condé no domingo, dissolveram as instituições e anunciaram a libertação de "presos políticos".

A Cedeao encontra-se numa situação semelhante à vivida no ano passado com o golpe militar no Mali, país vizinho da Guiné e que também faz parte da organização.

Na ocasião, sancionou aquele país, mas posteriormente retirou a medida devido à inquietação despertada na população local e a promessa dos militares do Mali de iniciar um processo de transição política em no máximo 18 meses.

Como ocorreu no Mali, o golpe na Guiné foi saudado com demonstrações de apoio. As forças especiais guineenses afirmam ter detido Condé, suprimido a atual Constituição e dissolvido instituições governamentais, para pôr fim à "bagunça" do governo e à corrupção.

Até agora, nenhuma morte foi oficialmente relatada após o golpe e a situação de Condé é desconhecida.

bur-sst-lal/eb/pc/ap/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos