Comunidades alvos de operação da PM são controladas por criminosos de perfil violento

As operações policiais em 13 comunidades do Rio e Região Metropolitana, nesta sexta-feira, tem por objetivo combater o roubo de cargas e combater o tráfico de drogas. Até o momento, sete pessoas morreram e uma ficou ferida em confrontos entre policiais e criminosos. Região onde houve mais mortes, o Morro do Juramento é local de constantes episódios de violência na Zona Norte do Rio de Janeiro, seja por disputa entre criminosos ou por ações policiais. De acordo com a Polícia Militar, seis suspeitos morreram em confronto após agentes do 41º BPM (Irajá) irem ao local para “reprimir o tráfico de drogas e as ações de criminosos no entorno da comunidade”.

Reduto histórico da maior facção criminosa do Rio, o Comando Vermelho, o Juramento é alvo frequente de operações policiais por ser uma das distribuidoras de drogas para outras comunidades da Zona Norte sob controle do mesmo grupo criminoso. Informações recebidas pela polícia apontam que o bandido conhecido pelo apelido de Toupeira seria o responsável por chefiar o grupo que ocupa atualmente a região.

Além disso, o Juramento é palco de constantes confrontos com bandidos do Terceiro Comando Puro, que dominam comunidades vizinhas como Serrinha e Cajueiro, em Madureira, e tentam tomar terreno do rival, considerado estratégico.

Violência: Após morte na Maré, manifestantes tentam fechar a Avenida Brasil

Zona Norte: Dois italianos são baleados após entrarem por engano em favela do Rio

Também na zona norte, as comunidades da Nova Holanda e Parque União, que fazem parte do Complexo da Maré também são dominadas pela maior facção criminosa do Rio. Ambas registram muitos episódios de violência, segundo a polícia, devido ao perfil dos criminosos que chefiam o tráfico nos dois locais. Jorge Ribeiro, o Zidane ou Bodinho, dá as ordens na Nova Holanda, enquanto Jorge Luiz Moura Barbosa, o Alvarenga, chefia o Parque União.

No local, Renan de Lemos, de 24 anos, foi morto e outro homem ferido. Moradores tentaram fechar uma das pistas sentido Zona Oeste da Avenida Brasil ateando fogo em objetos, mas os policiais impediram.

Perto dali, outra ação ocorria na Comunidade Vila Joaniza, na Ilha do Governador. Vizinha ao Morro do Barbante, ela também é dominada pela mesma facção que atua na Nova Holanda. O policiamento na região é responsabilidade do 17º BPM (Ilha do Governador).

Na Região Metropolitana, as comunidades do BNH, Marambaia, Apollo e Viúva, em Itaboraí, e a comunidade da Lagoa, em Magé são ocupadas pela Polícia Militar. Todas também são controladas pelo Comando Vermelho. Nas de Itaboraí, o policiamento fica a cargo do 35º BPM.

Em Magé, a Lagoa possui o curioso posto de ser a comunidade que mais recebeu operações policiais nos últimos três anos. Somente durante o período de pandemia, foram 42 ações policiais na região, todas comandadas pelo 34º BPM.