Condenada pela morte do menino Bernardo vai para o semiaberto

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Uma das quatro pessoas condenadas pela morte de Bernardo Uglione Boldrini, em 4 abril de 2014, Edelvânia Wirganovicz obteve, na sexta-feira passada (6), progressão ao regime semiaberto. O crime ocorreu em Três Passos, no norte do Rio Grande do Sul.

Ela havia sido condenada a 22 anos e 10 meses de prisão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver e já havia cumprido oito anos e 12 dias da pena. A decisão é da 2ª Vara de Execuções Criminais da Comarca de Porto Alegre.

Edelvânia era amiga da madrasta de Bernardo, Graciele Ugulini, e admitiu, no julgamento ocorrido em março de 2019, ter feito uma cova vertical para que o corpo do menino de 11 anos fosse escondido em um matagal de Frederico Westphalen. Segundo a Justiça concluiu, Bernardo foi morto pela madrasta com a injeção de uma superdosagem de um medicamento para dormir.

Foi Edelvânia quem apontou o lugar do cadáver, à época da investigação.

Embora a Justiça tenha determinado a sua transferência do Presídio Estadual Feminino Madre Pelletier para o Instituto Feminino de Porto Alegre no prazo de 10 dias, a defesa ainda pleiteia que Edelvânia cumpra o restante da pena em casa, usando uma tornozeleira eletrônica. Alega questões de segurança.

"No presídio, Edelvânia cumpria pena isolada das demais detentas. É difícil assegurar a integridade física dela em uma instituição de regime semiaberto. Acreditamos que o mais seguro é que ela possa cumprir pena em um domicílio na região de Frederico Westphalen, com horário determinado para trabalhar e voltar para casa", diz o advogado de Edelvânia, Jean de Menezes Severo.

Em sua decisão pela progressão de regime, o magistrado Geraldo Anastácio Brandeburski Júnior considerou que Edelvânia havia passado por exame criminológico conduzido por uma psicóloga e possuía "conduta plenamente satisfatória" durante o cumprimento da pena.

Ela ganhou ainda o direito a cinco saídas temporárias por ano, por períodos de até sete dias.

Em 2019, o irmão de Edelvânia, Evandro Wirganovicz, também foi condenado a nove anos e seis meses de prisão. No entendimento do júri, Evandro teria auxiliado a irmã a fazer a cova para ocultar o cadáver de Bernardo. Ambos sempre negaram essa hipótese. Evandro obteve liberdade condicional em 25 de março de 2019.

O pai de Bernardo, Leandro Boldrini, foi condenado a 33 anos e oito meses de prisão. A madrasta, Graciele Ugulini, a 34 anos e sete meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos