Condenado a 56 anos por 13 roubos está entre presos que não voltaram à cadeia após 'saidão' de Natal no Rio

Dos 1.997 presos que deixaram a cadeia para o chamado "saidão" de Natal no Rio, 393 não retornaram - o equivalente a 20% do total. Outros 1.604 detentos voltaram para as suas unidades prisionais. Os dados são da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Rio. Os presos foram liberados no último dia 24 e deveriam retornar até as 22h do dia 30.

Na lista daqueles que não voltaram, há um detento condenado a 56 anos, um mês e 19 dias de prisão em 13 diferentes processos por roubo. Valquírio de Mattos Correa, de 48 anos, estava preso há quase 10 anos, sem interrupções, e essa era a sua primeira saída da cadeia para visitar a família. Ele tinha conseguido o benefício no início de dezembro do ano passado. Valquírio já tinha sido preso outras quatro vezes. Em uma delas, também fugiu. No total, ele já cumpriu 19 anos, dois meses e três dias de pena. Ainda restam 36 anos, 11 meses e 16 dias de pena.

Flagradas: Três presas escavam túnel para fugir e são transferidas para presídio de segurança máxima em Bangu

Maior número desde 2016: Uma pessoa desapareceu a cada seis horas na Baixada Fluminense em 2022

Condenado a um total de 22 anos e oito meses de prisão em quatro processos por roubo, era a primeira vez que ele deixava a cadeia em VPL. Em Campos dos Goytacazes, Elizabeth Soares da Silva, de 63 anos, deixou o presídio Nilza da Silva Santos para o "saidão' e também não voltou. Há quase 10 anos presa, ela possui condenação de 19 anos e três meses de prisão em dois processos por tráfico de drogas.

Em nota, a Seap informou que comunica "imediatamente à Vara de Execuções Penais (VEP) sobre todos os privados de liberdade que não retornam às suas respectivas unidades prisionais no prazo estabelecido". No entanto, a VEP, pela assessoria de imprensa do TJ, informou que "ainda não foi comunicada formalmente pela Seap sobre este fato".

Em 2022, o número de presos que não retornaram após o "saidão" diminui em relação ao ano passado. No Natal de 2021, dos 1,3 mil detentos que tiveram autorização para passar a festa com familiares, 533 não voltaram, cerca de 41% do total.