Condições de eleição na Venezuela melhoraram, mas candidatos foram barrados, diz UE

·1 min de leitura
Isabel Santos, chefe da missão de observação da União Europeia, apresenta relatório inicial sobre as eleições regionais da Venezuela

BOGOTÁ (Reuters) - As eleições estaduais e municipais realizadas no fim de semana na Venezuela ocorreram em condições melhores do que as votações anteriores, mas houve casos de dificuldades para votar e figuras da oposição foram impedidas de concorrer, disse a chefe da missão de observação da União Europeia nesta terça-feira.

A votação de domingo foi a primeira vez em quatro anos em que a oposição do país apresentou candidatos, mas esta sofreu uma derrota retumbante. O partido governista ficou com ao menos 18 dos 23 governos estaduais.

"As eleições foram implantadas em condições melhores na comparação com processos eleitorais anteriores", disse Isabel Santos, a chefe da missão, a jornalistas.

"Houve proibições arbitrárias a candidatos por razões administrativas, houve suspensões, ou os líderes ou membros de alguns partidos mais reconhecidos foram retirados", explicou.

Observadores testemunharam o uso de "pontos de controle" proibidos, concebidos para monitorar quais apoiadores do governo votam, disse Santos, pedindo que o relatório final dos observadores não seja usado como um instrumento político.

A autoridade eleitoral nacional está mais politicamente equilibrada do que nos últimos 20 anos, disse Santos, e o equilíbrio é essencial para se criar confiança pública.

"A campanha também foi marcada pelo uso amplo de recursos estatais", acrescentou.

(Por Vivian Sequera, Deisy Buitrago e Mayela Armas, em Caracas)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos