Condições meteorológicas e de navegação chegarão com maior precisão ao porto de Niterói

Leonardo Sodré
·3 minuto de leitura
Hermes de Paula

NITERÓI — A partir deste ano, as informações relacionadas às condições meteorológicas e de navegação chegarão com maior precisão e detalhamento ao Porto de Niterói. A Companhia Docas do Rio de Janeiro (CDRJ) fechou um acordo de cooperação técnica com as universidades federais do Rio Grande (Furg), do Sul do país, e do Rio de Janeiro (UFRJ) para o compartilhamento de equipamentos e dados meteo-ceanográficos. O projeto também vai promover o intercâmbio do monitoramento entre os portos do Rio e de Niterói.

A troca de dados ocorrerá entre o Sistema de Monitoramento da Costa Brasileira (SiMCosta), coordenado pela Furg, com auxílio no Rio de uma equipe da UFRJ, e o subsistema de monitoramento ambiental da CDRJ. A companhia está desenvolvendo um sistema de gerenciamento e informação do tráfego de embarcações nos portos de Niterói e do Rio que prevê, ainda este ano, a instalação de uma boia meteoceanográfica nas proximidades da Ilha do Pai, no litoral da Região Oceânica.

Por meio desse acordo, a Autoridade Portuária terá acesso, de forma imediata e confiável, a dados meteorológicos e hidrológicos na Baía da Guanabara devidamente atualizados a cada 30 minutos. A curto prazo, a Companhia Docas também compartilhará com o SiMCosta as informações geradas na Ilha do Pai.

Baía de Guanabara

Segundo o gestor do projeto nos portos de Niterói e do Rio, Marcelo Villas-Bôas, o acordo foi vantajoso do ponto de vista econômico tanto para a companhia quanto para as universidades.

— O projeto tem por finalidade aprimorar a consciência situacional marítima, a segurança da navegação e a gestão do tráfego aquaviário, atendendo aos respectivos objetivos institucionais e às atribuições legais — explica o gestor.

O SiMCosta é uma rede integrada de plataformas flutuantes ou fixas, dotadas de instrumentos e sensores, com funcionamento autônomo e capacidade de coletar, regularmente, variáveis oceanográficas e meteorológicas, transmitindo-as para uma central de processamento da Furg. O sistema de monitoramento integra a coordenação geral, e as equipes locais realizam pesquisa em pontos do litoral.

As boias meteoceanográficas do sistema, localizadas no Rio, medem variáveis meteorológicas como radiação solar, velocidade e direção do vento, temperatura do ar, umidade relativa e pressão atmosférica. Em relação à hidrologia, consegue medir a condutividade e a temperatura da água, a velocidade e a direção das correntes, as ondas e a altura do nível do mar.

As informações produzidas pelas duas boias meteoceanográficas do SiMCosta fundeadas na Baía da Guanabara são empregadas como base de dados para o software de calado dinâmico ReDraft, da empresa Argonáutica Engenharia e Pesquisas, hoje utilizado pelas praticagens do Rio e de São Paulo, para realizar em tempo real o cálculo da folga sob a quilha dos navios. O processo de homologação desse software está sendo feito por um grupo de trabalho coordenado pela CDRJ, com representantes da Marinha, da Praticagem-RJ e das empresas que administram terminais arrendados no porto. O objetivo do grupo é estudar melhorias na acessibilidade aquaviária com o uso do software.

O prazo de vigência do acordo entre a Companhia Docas e as duas universidades federais é de 36 meses, com possibilidade de ser prorrogado por períodos iguais e sucessivos de modo a alcançar e manter metas.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)