Condutores da Tocha Olímpica da Rio-2016 vendem objeto para driblar crise financeira

O Globo
·1 minuto de leitura

Item cobiçado e um dos símbolos olímpicos, a tocha dos Jogos do Rio, em 2016, está sendo vendida em grupos nas redes sociais. Nos "anúncios", os condutores das tochas explicam que estão se desfazendo do objeto porque precisam de dinheiro, estão desempregados ou passando alguma necessidade.

Caso de Ygor Cruz, que afirma estar desempregado e pede para não ser discriminado. E de Luiz Paulo Freitas Ribeiro que explica que viu seus rendimentos caírem por causa da pandemia e precisa vender a tocha para pagar terapia da filha, que é autista. Paulo pede R$ 7 mil.

A tocha carregou o fogo olímpico pelo país, marcando o início das festividades olímpicas. Cerca de 12 mil pessoas participaram do revezamento que começou em 21 de abril de 2016 e se encerrou em 5 de agosto, no dia da cerimônia de abertura da competição.

Cara participante utilizava uma tocha e ficava com o objeto como lembrança.

Ao fim do percurso, a tocha passou por 326 cidades do país, a quarta maior rota doméstica da história do revezamento da tocha olímpica.